segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Vinte Anos, Já é Uma Boa Caminhada

Muitas coisas importantes aconteceram na História no dia 30 de dezembro. Vou aqui relatar algumas que mais me interessam. No dia trinta de dezembro de 1898 nasce no Brasil o escritor e antropólogo Luís da Câmara Cascudo. A Guerra das Rosas, por exemplo, é outra delas. A criação da União da República Socialista Soviética, aprovada pelo Congresso dos Sovietes em 1922. Em 1924 tem-se confirmado a existência de outras Galaxias por Edwin Hubble. De repente, em 1944 é registrado 44ºC Negativos em Washington. Em plena Guerra do Vietnã, o Vietnã do Norte, sente-se aliviado com a paralisação dos intensos bombardeios pelos Estados Unidos em 1972. Ano seguinte, fica estabelecida as relações diplomáticas entre o Vaticano e Israel. Já em 1988 foi preso e acusado de corrupção o genro de Leonid Brezhnev, o soviético Yury Churbanov.

Porém, o fato Histórico mais importante que aconteceu na História recente, não foi bem um fato da história coletiva, todavia determina ainda hoje minha lide, meu cotidiano. Quinta feira, aproximadamente 16:00h, em Fortaleza no dia 30 de Dezembro era Celebrado o meu Casamento com minha amada Simone Gadelha.

Que esta data fique para sempre registrada nos anais da coletividade, para compensar os Vinte Anos de cumplicidade, de companheirismo e de algumas outras coisas não tão harmônicas, mas inerentes na convivência humana. Trinta de Dezembro. Fica Dito e Registrado!

domingo, 29 de dezembro de 2013

Acessos Globais da Polis Local


Compartilhar com outras pessoas as ideias que habitam minha mente, é algo que me fascina. Saber, de repente, que em outros ares alguém lê o que penso, me estimula a pensar melhor, no tratar das relações humanas.

No primeiro momento em que as percepções de amplitudes globais chegaram a mim, me deixaram repleto de alegria e estupor. Saber que Minhas ideias desfilavam além do Brasil, pelos Estados Unidos, Rússia, França, Portugal, Alemanha entre outros.

Sempre voltado para os acontecimentos da política e da sociedade local, com raríssimas exceções, relatando questões globais. Todavia meu segundo espanto veio recentemente ao analisar a origem dos acessos na Polis Antenada. Descobri que a Malásia lidera os acessos à Polis, perdendo por pouco, apenas para o meu Brasil.

Será que existem explicações para tal acontecimento? Será que de repente irei visitar a Malásia?

sábado, 28 de dezembro de 2013

O “é Nós” da Galera e o Megulho do Governador



Um dos pressupostos da galera midiática é a espetacularização virtual da vida. O “é nós” está reproduzido minuto a minuto em cada gesto ou muganga da adolescência tecnotrônica. Tudo é retratado e postado instantaneamente nas redes sociais para imprimir identidade.

O dialeto “internetez” é tão forte entre a galera, que em muitos casos, apresenta dificuldades múltiplas de compreensão. Todavia, o deleite da rebeldia juvenil está na instantaneidade midiática.

Na carona midiática das redes sociais estão presentes os desejos de sucesso, a torcida pelo artista preferido e a propagação do que se vê na TV, além dos encontros coletivos previamente marcados.

Recentemente aconteceram grandes encontros de jovens da periferia em “Shoppings” paulista, na onda da inclusão social, meio que reivindicações de Junho, fazendo barulho, querendo usufruir das benesses do capital. Talvez por falta de espaços públicos para o lazer ou se fazer presente, a rebeldia periférica em busca de ser vista, migra para o centro das atenções contemporâneas, almejando alguns minutos de visualizações, mesmo que para tal, tenha que provocar o “terror” entre os permanentes visitantes das inacessíveis vitrines da moda, sem nada levar.

Na última segunda feira – 23, o governador cearense, Cid Ferreira Gomes (PROS), também entrou na onda juvenil da instantaneidade midiática e caiu literalmente na adutora, refrescando-se do calor, e tentando resolver um probleminha na tubulação engrenada no município de Itapipoca, antecipando assim, a espetacularização da inauguração programada.


video

O “é Nós” da Galera


Um dos pressupostos da galera midiática é a espetacularização virtual da vida. O “é nós” está reproduzido minuto a minuto em cada gesto ou muganga da adolescência tecnotrônica. Tudo é retratado e postado instantaneamente nas redes sociais para imprimir identidade.

O dialeto “internetez” é tão forte entre a galera, que em muitos casos, apresenta dificuldades múltiplas de compreensão. Todavia, o deleite da rebeldia juvenil está na instantaneidade midiática.

Na carona midiática das redes sociais estão presentes os desejos de sucesso, a torcida pelo artista preferido e a propagação do que se vê na TV, além dos encontros coletivos previamente marcados.

Recentemente aconteceram grandes encontros de jovens da periferia em “Shoppings” paulista, na onda da inclusão social, meio que reivindicações de Junho, fazendo barulho, querendo usufruir das benesses do capital. Talvez por falta de espaços públicos para o lazer ou se fazer presente, a rebeldia periférica em busca de ser vista, migra para o centro das atenções contemporâneas, almejando alguns minutos de visualizações, mesmo que para tal, tenha que provocar o “terror” entre os permanentes visitantes das inacessíveis vitrines da moda, sem nada levar.

Na última segunda feira – 23, o governador cearense, Cid Ferreira Gomes (PROS), também entrou na onda juvenil da instantaneidade midiática e caiu literalmente na adutora, refrescando-se do calor, e tentando resolver um probleminha na tubulação engrenada no município de Itapipoca, antecipando assim, a espetacularização da inauguração programada.
video

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

2014 é o Mote


Como está escrito na canção: “este ano quero paz no meu coração”, mas que a paz buscada não esteja no comodismo social das aparências burguesas, que a paz sonhada seja resultado das lutas incansáveis. Ano novo, iniciam-se novas caminhadas em busca da felicidade que nem sempre buscamos com intensidade.

Novas promessas vazias e evasivas propagadas na virada do ano sem, no entanto, mudar o rumo trilhado. 2014 desnuda com novas expectativas de futuro, mas é preciso construí-lo agora. Talvez você até comente, como é que a pessoa que nem está nas ruas, cobra luta dos outros?

Não é por conta da Copa que 2014 será a vanguarda da irreverência juvenil. É imprescindível que busquemos nas lutas, melhores dias e que as diferenças sociais e raciais sejam minimizadas para que não tenhamos seres humanos solidários apenas nas festas natalinas. Faz-se necessário a implementação da Democracia Direta como direito cidadão em detrimento do voto obrigatório e privilégios privados.

Ano novo e novas lutas por uma Educação Pública de Qualidade Social e Isonômica através da CONAE 2014 (Conferência Nacional de Educação), com a árdua tarefa de pressionar o Congresso Nacional para que respeite as deliberações tiradas na Conferência e implantar de imediato os 10% do PIB na Educação, valorizando assim, os professores com salários, carreira e formações dignas. Se grande parte dos atuais “políticos” propagam-se favoráveis à Educação, então é fazer valer suas propagações.

2014 não pode ser apenas mais um ano de eleições, em que os oportunistas desçam de “paraquedas” nas comunidades e levem consigo as esperanças do povo. Século XXI – tempo das tecnologias – promete mais que um simples novo ano. Façamos valer a nossa força, nossa voz!

Adelante”!

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

O Intocável do Pirulito e Suas Falácias


Sabe aquele Deputado, que sonhava ser vereador, quando Luizianne Lins era prefeita? Pois é, ele continua perdido entre suas elucubrações. Acreditava eu, que tal pessoa perderia de vez sua identidade pós gestão Luizianne, mas agora desconfio que ele não sabe mesmo o que é ser parlamentar.

Pois não é que para ganhar espaço na mídia, o tal senhor vive falando da existência de um grupo Petista que aguarda a hora da virada para vaiar o prefeito de Fortaleza. O pior é ver que a parcialidade da mídia, nem percebe que quando vaiaram a presidenta Dilma, este mesmo senhor “estava na torcida”, porém quando as vaias migram para seus superiores, fica dolorido feito “menino besta” quando cai no chão seu pirulito sabor uva.

Não querer aceitar a opinião pública, nada mais é que negar o direito da massa se manifestar. É só analisar os resultados da pesquisa de opinião pública sobre a administração do prefeito Roberto Cláudio (PROS), para constatar que o povo fortalezense não anda satisfeito com a gestão do prefeito, que disse fazer algo, mas está fazendo pelo avesso. O que justificam as prováveis vaias, senhor parlamentar, são as ações negativas de destruição da coisa feita.

A ex-prefeita de Fortaleza deixou alguns postos de saúde funcionando três turnos e creches em tempo integral. Porém, a gestão que não pode ser vaiada, fechou o terceiro turno dos poucos postos e eliminou as possibilidades de mães trabalharem, ao acabar com as creches de tempo integral, e o senhor ainda acha que as vaias de que tanto fala, são apenas reflexos da insatisfação partidária?

Então, é Natal?


O corre-corre antecipando o Natal se fez frenético nas lojas do consumismo, onde muitos sem noção da data, mesmo se dizendo cristãos mantiveram as aparências do ter. Ter amigos, ter prestígio capital, ter dívida permanente como premissa de vida.

Jesus, quando por aqui passou, esteve presente no meio do povo humilde, das prostitutas, dos infelizes, revolucionando o caráter humanístico do ser social, que atordoado na mais valia, nem se apercebe como tal.

Durante o ano inteiro predomina o caráter individualista do ser, que no Natal, se deixa aflorar pela solidariedade temporal, mas não percebe nas praças e ruas da cidade, seus eternos moradores desprovidos da dignidade humana e segue a trajetória, rumo à Missa do Galo, exercendo o papel cristão?

sábado, 21 de dezembro de 2013

O Aumento de Impostos como Presente de Ano Novo?


Os novos gerentes municipais estão aproveitando os festejos de final de ano para aplicar medidas impopulares àqueles que lhes delegaram tal poder. Em Sampa, Fernando Haddad (PT), foi impedido pelo STF que barrou aumento escalonado de até 35% do IPTU paulista.

Já em Salvador, ACM Neto (DEM), não foi tão generoso com o povo Soteropolitano e demais moradores, aumentando em até 300% o tal Imposto (IPTU). Aqui em Fortaleza, o prefeito Roberto Cláudio (PROS), contando com a subserviência de grande maioria da câmara municipal, no apagar das luzes, não teve pena nem dó, aumentou o IPTU taxando aqueles mais humildes.

A justiça que foi implacável em Sampa, precisa agir com veemência contra a tamanha ganância dos insaciáveis gestores tanto em Salvador quanto em Fortaleza. Defender os direitos dos trabalhadores é fundamental para o fortalecimento da democracia.

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

O Fazer Política é Imperativo


A priori, a política deveria ser a arte da completude humana, a busca da ética social no sentido de garantir a felicidade da coletividade cidadã. O fazer política deveria ser imperativo a todos os seres humanos e nunca à imposição da força autoritária dos ilustres mandatários da moral burguesa. Mas as ambições particulares tiraram o caráter científico do fazer política. Parafraseando Rousseau (1), “O homem nasce bom, o meio é que o corrompe”. Assim caminha o agir político contemporâneo. A busca pelo poder é determinantemente fascinante. Sempre os mesmos no comando do gerir as ideologias e deturpar os sonhos e as ilusões do povo que sempre acredita na sofística quimera propagada antes das eleições.

O agir cidadão no campo da liberdade está intrinsecamente ligado à moral particular e deveria regular as normas de conivência social. Aqui cito Kant (2): “Duas coisas me deixam maravilhado, o céu estrelado acima de mim e a lei moral dentro de mim”. Se os atuais agentes da política contemporânea dedicassem o mínimo possível à moral particular, quem sabe, existiria ética no espaço público do praticar política.

Todavia, a “políticalha”, o fazer doentio da política, tomou conta das concretudes gerenciais e parlamentares nas Terras Brasilis, onde as relações tornaram-se voláteis e temporais. Para manter-se no comando, alguns dos atuais detentores do poder são capazes até de dormir com o inimigo, barganhando apoiamento, numa deslavada relação do toma lá dá cá.


(1) Jean-Jacques Rousseau – importante filósofo suíço, defensor do Iluminismo.
(2) Immanuel Kant – filósofo alemão

domingo, 15 de dezembro de 2013

E De Repente, o Eleitor Paga a Conta


O governador Cid Ferreira Gomes (PROS) vive a euforia das horas finais de mandato e corre contra o tempo para garantir o que prometeu. O tempo é inimigo do agora e não sobra nada para além das prioridades. Todavia, sua obstinação pelo “aquário” permanece, mesmo custando os olhos da cara do freguês. As ditas obras de mobilidade ficarão na sua grande maioria para o próximo governante, pois os entraves não permitem as correrias e as eleições já não demoram mais.

Os índices de aprovação do senhor governador não são dos melhores, se comparados aos do ex-governador Tasso Ribeiro de Jereissati (PSDB), a quem Cid propaga que seja o maior político vivo da história cearense. Realmente, o governo das “mudanças”, deixou contribuições relevantes para os cearenses, ninguém pode negar, mas não promoveu o progresso para todo o povo que padece as mazelas do capital. Também não se vê transformações aparentes na vida do povo cearense nestes últimos sete anos de governo Cid Ferreira Gomes. No sertão, as estiagens continuam e ampliam as agruras daqueles que esperam cotidianamente pelas ações divinas, pois nada foi feito para superar as intempéries da natureza, promotora da seca e do “voto de cabresto”.

Os gerentes foram mudando, mas as práticas governistas permanecem as mesmas, com interesses particulares de permanência eterna no poder. Entretanto, algo soa diferente nos acordos para as novas eleições, que permanecem aos modos coronelísticos. A distribuição de cargos fala mais alto e de repente sedem-se as pretensões em nome da tal governabilidade e apoiamento. Pelo visto, os pretensos candidatos ao executivo cearense serão fruto de acordos particulares, sem contar com o povo que apenas será convocados para votar.

Sem perspectivas de transformações sociais e sem ideologias, segue atordoado o povo diante dos acontecimentos que pouco lhe trazem benefícios, mas que as promessas seguem firmes no apertar de mãos, nas caminhadas pré-eleitorais que não tardam a chegar.

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

As Contradições Dialéticas do Eu


Apesar de vivenciar a mais ampla modernidade do comportamento humano contemporâneo, sinto-me perplexo como ainda agimos em determinados momentos, como se estivéssemos na Idade Média. Talvez seja pelas circunstâncias do capital, todavia estamos distantes da propalada contemporaneidade, pois investimos muito nas relações dos estereótipos globais e pouco ou quase nada estamos construindo como base dialética de convivência social.

A capacidade de compreensão humana precisa dialeticamente de força para acreditar em si própria e caminhar rumo ao novo modo relacional, construindo mecanismos concretos da formação intelectual para sair da pasmaceira do ouvi dizer. Buscar a verdade a partir de métodos confiáveis, dará segurança na trajetória da ciência. Compreender que o universo humano exige horizontes complexos que ultrapassem a nossa vã filosofia de vida, mas que favoreçam a maturidade do eu.

Se no capital existe um grande processo alienante, o ser real precisa construir condições reais para efetivar-se como consciência de si e transformar a realidade alienante numa subversão social, mesmo que as condições econômicas influenciem indiretamente nas condições materiais. A ação da consciência efetiva do eu implicará nas relações sociais cotidianas e a produção do fazer-se humano efetivará o novo homem.

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Os Acordos de Interesses Privados da Política


Quando criança, sem nada entender de política, já observava meu pai falar que tal candidato, teria sido indicação de um determinado “chefão” da política local. Fui crescendo e percebendo que a política é parte integrante do cidadão. Também compreendi que tais indicações faladas pelo meu pai, continuavam, mas daí, já entendia que vivíamos numa ditadura militar e não podia me opor.

Veio a Anistia política, e o Congresso Nacional derrotou a Emenda Dante de Oliveira, a eleição continua indireta, porém, surge nos ares da liberdade o raiar do novo dia. Cai o “Muro de Berlim”, reunificam-se as Alemanhas, Gorbachev decreta a Perestroika e a Glasnost. E de repente o mundo político ficou atônito, Fukuyama fala em o fim da História.

A democracia mostra a cara e alegra muita gente, todavia, continuo perplexo diante das ações comportamentais dos atuais dirigentes políticos e agremiações partidárias. Acompanhando as últimas eleições percebo que muito se caminhou rumo à democracia, mas ainda continua as indicações tiradas do bolso dos “xerifes” e impostas à sociedade votante. Os acordos são em sua grande maioria, a portas fechadas e de interesses privados. A política que deveria ser do povo, fica restrita às minorias mandatárias.

2014 já vem chegando e com ele as eleições de cartas marcadas? No contexto geral temos o oportunismo determinando as indicações, pleiteando cargos e impondo nomes. No Rio de Janeiro, o atual governador, mesmo sem prestígio diante da população, impõe o nome do seu Vice-Governador: Luiz Fernando de Souza Pezão quando o pre candidato do PT, atual Senador Lindbergh Farias, desfila nas cristas das ondas da aprovação popular. Aqui no Ceará, existem muitas especulações e pretensões de nomes para ocupar o palácio do governo.

O Senador Eunício Oliveira propaga seu nome nos grotões cearense, o PT se diz aliado do governador Cid Gomes e acata o nome palaciano, mas existem em seu seio uma rebeldia dizendo que o Partido terá candidatura própria. Muitas águas ainda vão rolar debaixo das pretensões locais e o pior é constatar “que apesar de termos feito, tudo que fizemos , ainda somos os mesmos, e vivemos como nossos pais...*”

* Como Nossos Pais - Belchior


sexta-feira, 22 de novembro de 2013

O Poder da Globo


Ontem à noite, ao chegar em casa depois da lide diária, sentei-me no sofá e de repente me vi assistindo a novela da rede globo e o excêntrico “Félix”, personagem que mexe com o imaginário popular, vivido e bem representado por Mateus Solano. Nesse instante passou pela minha cabeça um “filminho” daqueles sobre as criações globais de produção. A Rede Globo, não me representa como mídia jornalistica, mas não posso deixar de reconhecer seu potencial de fazer novelas e dos bons profissionais que nela atuam.

Quantos “Félix” já foram inventados na ficcionística rede Globo, comecei a refletir. A Carminha dona do bem e do mal e tantos outros seres da ficção, seja novelística ou política. E por falar em política, quem lembra daquele personagem global das Alagoas? É, o caçador de marajás! Sendo oposição aos candidatos Leonel de Moura Brizola e Luiz Inácio Lula da Silva, a Globo investiu e garantiu Collor no Planalto Central. Ladeada ao collorido, a Globo continua sua lua-de-mel com o poder.

Tudo é festa enquanto rola a completude dos interesses privados, entretanto, ao romper a magia das benesses, mudam-se os focos midiáticos e com seu forte poder de iludir, propaga os “caras pintadas” e a derrubada de Collor. O tempo passa e novas novelas e personagens políticos desfilam no tabuleiro midiático da ficcionística Globo. FHC, Serra, Alckmin & Cia LTDA. Tudo dentro dos padrões globais.

De repente, não tão acelerado, surge no Planalto Central alguém distante das simpáticas benesses do capital. Oriundo do Nordeste, do sindicalismo e das massas, Lula desfila em tapetes vermelhos do poder e fere o “brio” da elite conservadora, detentora do vil metal e da parcial global das ilusões. A festa das ruas premiavam o novo governo, desta feita, a “cara do povo”. “Engolir sapo” é uma atividade indigesta para quem sempre esteve na crista da onda. Todavia, o Ibope estava garantido com as entrevistas exclusivas do então presidente Luiz Inácio “Lula” da Silva, até que cansasse a sua beleza.

Estamos hoje vivenciando mais um personagem de “sucesso” da ficção global na real sociedade Brasil, que certamente, assim como na ficção novelística, não passará muito tempo em lua-de-mel com os altos índices de audiência, e possivelmente os ventos delirantes do oportunismo ditarão as trilhas a seguir. Pelo o visto, a corda já começa a ruir, e “quem viver, verá”.

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

O PT e os “Amigos da Onça”


A prisão de José Genoino e Zé Dirceu em pleno dia da Proclamação da República, foi realmente o grande estrago para o Partido dos Trabalhadores, além de uma excelente estratégia midiática, mas certamente será positivo para a reeleição da Presidenta Dilma Rousseff (PT), pois o em 2014 nenhum partido poderá falar em corrupção do PT. E somente o PT poderá cobrar responsabilidades dos demais. Se no PT houve corrupção, seus membros culpados foram condenados e presos, já os demais partidos... Fica a dolorosa interrogação para futuras reflexões...

Não estamos aqui justificando as possíveis falhas cometidas em nome da governabilidade Petista. Entretanto, o Brasil passa a vivenciar o aprimoramento da Jovem Democracia Brasileira e isto é extremamente positivo para o combate à corrupção desenfreada, patrocinada pelas normas do capital com o aval daqueles diretamente beneficiados com o vil metal.
 
O aprendizado deverá ser bem intenso para o PT que gerencia a sociedade capitalista Brasileira, uma vez que chegando ao poder, passou a mudar suas práticas democráticas, antes ao lado e na defesa dos trabalhadores, passa a conviver e ter como aliados seus antigos inimigos e atuais “amigos da onça”, como diria meu sábio pai. Aliados do fisiologismo permanente, continuam em busca de benesses pessoais e ao serem contrariados, nem se envergonham de seu mau caratismo e ignorância do que seja Res Pública.

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

A Rebeldia Poética Enclausurada


A rebeldia contida no afastamento sociopolítico cultural, detém parte integrante da adolescência permanente de um poeta que sonhou com a revolução. Revolução tardia, promotora das acomodações de um coração perdido entre os acontecimentos voláteis da vida cotidiana.

Tudo não passou de uma quimera e as pressões de convivência, de repente muda a rota dos sonhos, que permanecem adormecidos no meio de um infernal barulho, onde poucas pessoas escutam a voz do silêncio.

Repressão contínua e contida nos moldes globalizantes, onde os sonhos distam do real e as correntes mediadoras dos tempos te escravizam numa hipocrisia fenomenal de isolamento social.

Mesmo entre as correntes do isolamento, onde tudo parece irreal, as pessoas transitam como múmias ambulantes numa vitrine inacessível do real, sem rebeldia nem romantismo e sem dialética. Atento aos turbilhões dos acontecimentos, o poeta sonha.

Sem contentamento, permanece enclausurado o poeta na angustiante rotina do vai e vem global, onde as pessoas tornam-se invisíveis para as ações dominantes do ter, mas o poeta não se entrega, e isolado na multidão, tenta viver sua rebeldia.

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Jango Retorna a Brasília e Recebe Homenagem


O Senador Randolfe Rodrigues PSOL – AP, pretende fazer uma bela homenagem ao ex-presidente João Belchior Marques Goulart, popularmente conhecido como Jango, tornando nula a ação do Congresso Nacional do dia Primeiro de Abril de 1964, que determinava vaga à presidência da República do Brasil. Naquele momento, o ex-presidente João Goulart, havia se ausentado de Brasília em busca de apoio no seu Rio Grande do Sul e encontrou, mas para evitar um conflito sangrento entre militares e civis decidiu não atacar, evitando assim uma secessão.

Não cabe aqui questionar o ato de Goulart, todavia a história precisa esclarecer os fatos obscuros que privilegia apenas a visão majoritária do militarismo, ao afirmar que Jango foi vítima de um ataque cardíaco.

Na última sexta feira 08, teve início o processo de exumação dos restos mortais de Jango com intuito de esclarecer historicamente a causa de sua morte. Sabemos que há suspeita de que Jango tenha sido envenenado, durante a *Operação Condor*, por militares uruguaios a mando do governo brasileiro.

Agora, 50 anos depois, o ex-presidente João Belchior Marques Goulart, Jango, volta ao Distrito Federal e receberá uma justa homenagem. O reconhecimento do Estado. Parabéns Senador Randolfe pela sua iniciativa.

*Operação Condor = aliança entre as ditaduras militares da América do Sul nos anos 1970.

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Os Movimentos Reivindicatórios X Arrogância Plantonista


Não entendo como pessoas bem nascidas, “representantes” da exploração capitalista, perdem facilmente a esportiva e partem para ações de confronto com manifestantes que veementemente buscam seus direitos através do diálogo. É de praxe alguns gerentes de plantão, negar o diálogo antecipado e na agonia da militância, colocam-se arrogantes e afirmam categoricamente que não dialogam com manifestantes em greve. Cômodo! Muito cômodo!

Ninguém é tão ingênuo a ponto de deflagrar um movimento paredista antes de se esgotar a fase do diálogo. Tentativas de diálogos, busca de consenso em exaustivas reuniões e as aspirações reivindicatórias caminham em linhas paralelas com a intransigência majoritária governista.

Muitos que brilharam nas lutas por uma transformação social, ou pela conquista imediata do bem estar social, hoje se perderam nesta trajetória, por não compreender a dinâmica coletiva na sua concretude e, permeiam as bases governistas das acomodações.

Acreditar nas manifestações nômades é revolucionar a lide cotidiana e negar a práxis da crítica pela crítica. Os movimentos da Copa das Reivindicações ainda estão nas ruas, com roucas vozes e “tudo continua como d'antes no quartel de Abrantes”. A violência patrocinada pelo Estado na maioria das vezes é omitida, todavia a tática dos “black blocks” desfila livremente pelas ondas globais do vandalismo.

O ex”tudo”, quase “deus” que nunca fez chover na horta dos trabalhadores, secretário de Saúde do Estado do Ceará, na sua infalibilidade governamental se encontrou com manifestantes e partiu para o confronto. Rasgou cartaz e afirmou que seu irmão jamais dialogará com o “PSOL”, com manifestantes em greve. Tenho grandes dificuldades, mas até entendo, sua postura defensora do status quo, todavia, me nego a entender sua ação agressiva com os jovens estudantes da UECE. O cara é representante nato do Estado e ainda existem setores da imprensa que negam a violência Estatal do vil metal.

Sou de um tempo em que o diálogo estava presente nas relações fragilizadas do eu coletivo e que a ponderação e a serenidade eram bases das relações humanas para fortalecer o convívio democrático.

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Fazer Política em Benefício do Povo


As eleições já é vem e os interesses privados de alguns grupos políticos são postos no tabuleiro dos acordos antecipados, não interessando assim, a vontade do povo. O poder não pode está acima dos interesses do povo, que é na realidade, quem referenda tal poder através do voto. Todavia, na maioria das vezes, prevalece os interesses das agremiações, sem identificação com a equidade social. Não bastasse as ações recentes da ecologista Mariana Silva, se aliando ao PSB de Eduardo Campos. Temos frequentemente o fisiologismo de alguns PMDBista impondo condições ao Partido dos Trabalhadores – PT: Ou fecha do jeito que a gente quer ou pulamos fora! Basicamente assim?

Chegou a hora do Partido dos Trabalhadores resgatar sua política em defesa dos mais necessitados e mandar o fisiologismo procurar outro rumo, pois o compromisso deveria ser com o povo e não acordar com os velhos hábitos do toma lá dá cá. Acredito que o PT deveria esquecer tal aliança com o PMDB e construir alternativas legislativas para fortalecer as reivindicações urgentes, uma vez que ser gerente do capital é ficar submerso às resoluções de substantivas Políticas de Estado. É claro que o PT fez, mas fez pouco. É hora de implementar as ações imediatas que respondam às necessidades das pessoas que mais sofrem com a falta destas políticas públicas.

Ainda é muito grande o número de pessoas vivendo sem dignidade humana, sem saneamento básico, portanto sem Saúde Pública Preventiva. Como diria minha Vó: “é melhor prevenir que remediar”. Sabemos que as políticas assistencialistas são importantes, porém não podem ser eternas. É preciso construir e ampliar alternativas de trabalho para os beneficiários das bolsas existentes. Fazer política com “P” maiúsculo é primordial para promover e alavancar o desenvolvimento, que ao meu ver, só se tornará real quando houver investimentos substanciais na valorização e formação contínua dos professores e nas infraestruturas físicas escolares.

Dizer que não existe dinheiro, não me convence, pois o que vemos e ouvimos cotidianamente, são as ampliações dos incentivos fiscais que quase sempre não dão os retornos acordados. Tá na hora de dar a volta por cima e abandonar as carcomidas ações de interesses privados, para não permanecer apenas na crítica aos opositores.

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Manifestações Livres, Sofrem Ataques do “Status Quo”


As manifestações nômades que aconteceram em junho e continuam, por grande parte do Brasil nos tempos atuais, mostraram a vitalidade da juventude protestando ativamente nas ruas, demostrando suas frustrações políticas e insatisfações com os gerentes do capital que mesmo próximos, permanecem distantes de solucionar os problemas mínimos de política de estado, ficando na maioria das vezes, apenas com os paliativos emergenciais. Dentre a multidão rebelde, estiveram presentes os “Black bloc”, históricos nas reivindicações sociais mundiais.

Tudo acontece no seio do povo que luta por vida. Vida com esperanças, dignidade, valorização e sem violência urbana. Todavia, os "Black bloc” são frequentemente ignorados nas suas manifestações livres, pois a velha mídia faz questão de menosprezar a pauta reivindicatória e tratá-los de “baderneiros”, tirando o foco reivindicatório e de repente, o povo por não conhecer seus reais direitos, passa a generalizar os argumentos pejorativos dos dominadores.

Não seria mais fácil referendar a importância dos movimentos e seus participantes que lutam por uma equidade no campo social? Parece-me proposital provocar a violência velada e entranhada nas relações hierárquicas do capital, para transmitir ao vivo e em cores a reação dos manifestantes, provocados que sofrem, cotidianamente as danosas consequências das ações egoístas do hierárquico capital.

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Na COEE-Ce, Rumo à CONAE 2014


Aos poucos a população vai se acostumando com a disseminação da Democracia nas frequentes vivencias das diversas Conferências hoje existentes. Nos dias 17, 18 e 19 último, vivenciamos juntamente com todos os participantes do Estado, a II Conferência Estadual de Educação – COEE- Ce no Centro de Eventos. Mais um fórum de amplas discussões sobre Educação, visando a implantação do novo Plano Nacional de Educação – PNL. A CONAE 2010 deu grande contribuição na elaboração do PNL, que infelizmente, ainda não foi aprovado pelo Senado Federal, mas já é vitorioso pela aprovação dos 10% do PIB para a Educação pela Câmara Maior, restando ainda, esclarecer e definir que se destina à Educação Pública.

A professora Francisca Sirone Alcência Freire, coordenadora do Fórum Estadual de Educação, fez a abertura da Conferência nas presenças da Secretária estadual de Educação, Izolda Cela, dos professores Arlindo Cavalcanti Queiroz, diretor de programa da Secretaria Executiva Adjunta do MEC e Daniel Cara, além do Conselheiro Edgar Linhares e algumas autoridades da área e parlamentares defensores da educação. Com auditório lotado, tem-se início as perspectivas de uma Educação Pública de Qualidade Social e Isonômica.

O processo das discussões aconteceu nos sete Eixos Temáticos com participação dos mais diversos setores da sociedade defensora da educação. Pessoas que passaram pelas etapas das Conferências Municipais e se habilitaram Delegados com direito a voz e voto na Conferência Estadual. Este processo de discussões é vital para o amadurecimento das práticas pedagógicas e democráticas nos espaços escolares. Entretanto, lamentamos por demais, o tempo exíguo destinado às discussões que são de grande relevância para aprimorar a Educação que defendemos no Brasil Democrático.

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Parabéns, Professor!


Sei que o tempo não anda tão favorável para os ares das Salas de aula, da Educação, do ser Professor. Já não basta a falta de reconhecimento por parte dos gerentes do capital, da sociedade e o mais grave ainda, nossos alunos deixam de reconhecer o trabalho transformador que, cotidianamente implanta questões relevantes para o desenvolvimento dos seres numa nova realidade que deveria ser humana.

O Estado, que quase sempre disponibiliza apenas o mínimo no tabuleiro das possibilidades reais, deixa de reconhecer verdadeiramente aqueles que lutam para libertar o povo do senso comum e implantar, se não a criticidade, o bom senso necessário para o novo ser social.

Como diria minha vó: “O mar não estar para peixe”. Entretanto, faz-se necessário resistir, lutar e transformar. Resistir às agruras diárias como desafio do reinventar-se. Lutar para que o Congresso Nacional não aprove o projeto de lei 3.776 / 08, que coloca em risco a Lei do Piso Nacional dos Professores. Transformar as precariedades que permeiam o ambiente escolar e libertar pessoas pensantes e autônomas para o gerir social. Formar pessoas que transpire a realidade humana, “demasiadamente humana”.

Ser professor é cotidianamente revolucionar-se de esperanças coletivas! Parabéns, Professor!

sábado, 12 de outubro de 2013

As Crianças e a Rebeldia Juvenil sem a Real Presença do Estado


Quando criança, ouvia como muita frequência as pessoas adultas dizerem que nós e a juventude, seriamos o futuro do país. Naqueles tempos tudo era mais simples e as relações mais confiáveis, por isso passei a acreditar que eu e meus amiguinhos seriamos os futuros administradores do progresso. O progresso aconteceu com certa rapidez e se quer percebemos a celeridade dos acontecimentos efêmeros, voláteis. Será que naqueles lindos tempos já existiam as falácias predominantes do agir humano atual?

Não entendi porque hoje, depois da derrubada do golpe militar, da anistia estabelecida, do desejo de construir coletivamente a democracia, negaram o direito do sonhar com o próspero amanhã. Será que com o ECA, promovendo a liberdade juvenil, nega as potencialidades do ser, acontecer na essência humana? Não permitiram o acesso aos deveres das crianças, e a Rebeldia Juvenil que em formação, perderam o sentido do crescer responsável. Acreditar que tudo é possível sem formação concreta, é perder-se nas ilusões fantasmagóricas das frustrações. E de repente os horizontes estão distantes e a violência tomou conta do agora provocando o medo social.

Com o fim da família propalado por muitos. Eu particularmente prefiro, o advento das novas relações familiares, onde o tempo tornou-se inimigo do conviver e dos prazeres humanos, o bom dia e abraços reais passaram a ser vigiados e virtuais. Tempo da modernidade em que o Estado Burguês quase sempre nega suas obrigações sociais, não promovendo os direitos às famílias de ir ao trabalho sem a preocupação com os filhos socialmente atendidos e bem cuidados. Promove projetos paliativos, sem vinculações com o aprender a ser e fazer. Tempos em que para muitos, os cadernos e livros foram substituídos pela tecnotrônica global e sem cultura local. Socializaram na maioria das crianças de escolas públicas, o “desaprender” tático do escrever e a ignorância e desrespeito pelos livros recebidos.

Queria mesmo era ver todas as crianças com direitos a chorarem sem as compensações de trocas imediatas. Viverem a liberdade de ir a Escola e aprenderem a fazer acontecer as bases do seu amanhã. Acreditarem nos Sonhos e serem Felizes!

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

E agora, Eduardo?


        Faltando um ano para o pleito eleitoral de 2014, encerraram-se os “pula-pulas” fisiológicos dos pretensos candidatos em busca de uma agremiação que lhes permitam em suas alas alegóricas, espaços e condições para tornar-se parlamentar ou barganhar cargos públicos com o saldo de votos obtidos.

       Triste realidade brasileira que tem se mostrado cada vez mais nua e crua, sem escrúpulos e sem piedade. De repente as acomodações de últimas horas mostraram o quão é frágil a ideologia política no Brasil. As agremiações partidárias escancaram suas portas e janelas para os oportunistas de plantão que até ontem teciam duras críticas aos seus atuais “líderes”.

        E agora, Eduardo? O governador de Pernambuco, Eduardo Campos, tem em mãos uma “batata quente” para descascar. Ao aceitar em alas PSBistas, a ex senadora Marina Silva e sua rede, torna-se refém da ecologia sustentável e poderá aceitar ser candidato a vice da recém chegada Marina Silva. Tinha ele pretensões de sair vice da presidenta Dilma Rousseff (PT) e agora para propagar seu nome como cabeça de chapa em 2018, aceita ser vice de Marina abocanhando todas vantagens de representar o novo.

        Marina Silva, candidata, embola-se o meio de campo e leva as eleições globais para um segundo turno, onde certamente, Eduardo Campos não será vitorioso, assim como Aécio Neves também. Como as “oposições” juntas irão provocar segundo turno e seus maiores expoentes serão derrotados? Campos estará apenas divulgando seu nomes para as próximas eleições e no PSDB existem pessoas influentes que não aceitam a candidatura de Aécio, portanto, se o quadro permanecer assim, a presidenta Dilma será a vencedora, mesmo aliada ao indigesto e fisiológico PMDB.

        Caso a ex senadora Marina Silva venha crescer nas futuras pesquisas de opinião pública e ampliar suas possibilidades de vitória, o atual secretário de saúde do Estado de Ceará, o Irmão do governador Cid, o Ciro Gomes, colocará seu nome no tabuleiro das disputas eleitorais, inflando assim seu desejo de ser presidente. Quem é contra, se o homem está no PROS?

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

A Ineficácia Governamental no Gerir a República


         Diante das injustiças sociais, presentes no hierárquico cotidiano do vil metal, onde os acontecimentos “políticos” desfilam nos tapetes vermelhos da velha mídia, faz-se necessário uma reflexão sobre as condições reais da maioria daqueles que estão a reboque dos poderes gerenciais. Poderes falíveis numa análise crítica da realidade, todavia representa a Infalibilidade transcendente que permeia o imaginário coletivo, desnudado dos direitos fundamentais de uma república.

      Enquanto agonizamos socialmente, pela falta de saúde pública de qualidade social, em filas intermináveis, lotamos os corredores e ocupamos as macas hospitalares. Perdemos o direito de sair de casa pela imensa insegurança patrocinada pela inoperância gerencial. E sem os reais investimentos na Educação pública de Qualidade Social, produzimos socialmente apenas os interesses e as determinações particulares nas exceções falíveis do coletivo social.

        Como senso crítico, não posso sentar “no trono de um apartamento com a boca escancarada cheia de dentes esperando a morte chegar”. Pois onde quase tudo acontece a priore, faz-se necessário uma reflexão sobre os abusos das arrogâncias gerenciais. Não pretendo a amplitude desmantelada, mas deter–me apenas a um fato particular promovido pelo governador cearense, Cid Ferreira Gomes, que pensando num desfile triunfante perante os visitantes internacionais, contrata por uma quantia astronômica um “bufet” com cardápio exótico, para saciar a degustação daqueles que usufrui do poder capital.

        Como pessoa humana, não posso deixar de me indignar diante da situação periclitante que passa a população cearense em mais uma intempérie da natureza, que quase não teve a interferência gerencial. A seca constante que castiga a boa fé e as esperanças da grande maioria da população que padece a falta das ações imediatas por conta do Estado, que deveria ser Republicano. Paliativos acontecem como formas permanentes da manutenção poderosa da piedade e o respeito ao transcendente. Seguem como representantes do atraso, os carcomidos “carros pipas”, distribuindo “bosta shake" contaminando a saúde pública, agora chegando à região metropolitana da Capital.

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Os Propagandistas nas Rádios


         Não aguento tanta parcialidade de alguns radialistas que pensam saber fazer rádio. Os caras acreditam na falta de educação do povo para propagar nomes de seus patrocinadores. Na grande maioria, tais radialistas, “compram” os espaços de “babação” dos deuses do poder. O pior é saber que algumas emissoras de rádio esquecem sua função comunicativa e passam a alugar horários para o “besterol”.

        Os caras pálidas são realmente eficientes na “babação” daqueles que lhes pagam pela divulgação de seus nomes e a “queimação” dos oposicionistas ou daqueles que não comungam com as arrogâncias estabelecidas. Sem consistência teórica, tais radialistas fazem os mais absurdos comentários pessoais sem nenhum constrangimento ético com a verdade dos fatos.

domingo, 29 de setembro de 2013

Os Arbitrários Ataques à Jovem Democracia

            Continuam os arbitrários ataques à Jovem Democracia Brasileira. Há muito se observa o jogo de interesses privados pelo poder capital, mas nunca se viveu tanto o descaramento e a busca de privilégios particulares imediatos, mesmo quando a população vai às ruas reivindicar uma nova forma de fazer política e gerir a República. Continuam abertamente os insultos à capacidade racional do povo brasileiro. Existem parlamentares que para sua sobrevivência partidária, faz-se de oposição midiática, mas não tem postura ideológica diante da ala alegórica de sua agremiação partidária.

           Criam-se novas siglas com facilidades e sem nenhum propósito, a não ser, o de abocanhar insaciavelmente uma fatia do poder. Poder que deveria ser do povo, é dividido entre os donos das agremiações partidárias sem um caráter ideológico, sem teleologia política. A política que deveria ser a arte do gerir Socialmente a República, está entregue aos donos do capital, sem compromissos coletivos com a grande maioria da população. Nos tempos da Ditadura Militar, a força era primordial nas disputas eleitorais, nos grotões. Hoje a força do vil metal permeia o processo eleitoral e isso além de violar o direito individual do “cidadão”, dá muito trabalho ao Ministério Público como instrumento democrático.

           Não passa de uma província, um estado onde os interesses gerenciais dos “comandantes” permanentes, estão na primeira fila do toma lá da cá. Onde os interesses de um “grupo” oligárquico são mais fortes que a força do povo que delega tal poder. Onde a efervescência midiática em sua completa parcialidade, “esquece” dos reais problemas da sociedade menos favorecidas e, como nas novelas ficcionais, introduzem problemas da corte para anestesiar as mentes sãs do senso comum. Onde quase tudo trilha a ironia e quem fizer a maior doação de órgãos terá em suas alas alegóricas a presença do senhor governador Cid & Irmãos Ferreira Gomes, seus afilhados “políticos” & Cia LTDA.

     Na falta da Ideologia política, criam se os Pros do oportunismo governamental. Quem é contra?

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Sem Esmerino, Gony Assume Liderança Política em Granja


          A zona norte do estado cearense perde uma grande liderança da antiga política. Granja se despede daquele que durante muitos anos, conviveu com seu povo e conquistou o respeito de tantos. O jeito coronel de ser, o seu assistencialismo, fez de Esmerino de Oliveira Arruda uma grande liderança política que durante muitos anos dominou politicamente Granja e adjacências.

           Numa conversa informal que tive com o senhor Esmerino Arruda, em sua casa de pedra, no meu Parazinho, final de 1984 sobre sua posição de apoiamento moral à votação no Congresso Nacional, para “eleger” - aqui é força de expressão – o Presidente da República, ele foi bastante incisivo, apesar de ser naquele momento do PDS, partido que apoiava Paulo Maluf. Disse que se lá estivesse, votaria em Tancredo de Almeida Neves, pois tinha sido seu primeiro ministro e o conhecia muito bem. Foi neste encontro, que fiquei sabendo muitas coisas da política e das ações de alguns conhecidos da região.

          Em 1986, Esmerino Arruda se candidatou ao Senado da República com o Número 154, obtendo 116.990 votos, representando 2,92% dos votos válidos, numa coligação que elegeu Tasso Ribeiro Jereissati 15, juntamente com Mauro Benevides 151, Cid Carvalho 152; eleitos senadores. Naquele momento eleitoral, o candidato Esmerino se apresentava com o seguinte slogam: “Mas vale acender uma vela que amaldiçoar a escuridão”. Apesar de ficar na quarta posição, ficou conhecido como o Senador do povo granjense.

            Seu filho, o atual deputado estadual Esmerino Oliveira Arruda Coelho Júnior, Gony Arruda (PSD), não detém todas a liderança que Esmerino pai assumiu nos grotões cearense, mas não deixa de ter suas habilidades políticas. Por ser amigo de Ricardo Teixeira (CBF), conseguiu que Fortaleza sediasse três Jogos da Copa das Confederações e conquistou os jogos da Copa do Mundo de 2014, sendo Secretário de Esportes do Estado. Agora o deputado Gony irá enfrentar um grande desafio, que será se reeleger sozinho, sem a ajuda do pai.

           Será que Gony assumirá como nova liderança política de Granja? Hoje seu primo, Romeu Aldigueri de Arruda Coelho, exerce uma forte liderança como atual prefeito da cidade.

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

A Busca por Legenda pro Partido do Cid


        Parece que o senhor Roberto Cláudio Prefeito não vem acompanhando os últimos fatos da seara política estadual, pois afirma que o grupo político do senhor governador Cid Gomes sai do PSB de cabeça erguida. Ora senhor RC Prefeito, o Sociólogo e amigo Luiz Cláudio Ferreira Barbosa, publicou em seu blog e também no blog do Eliomar de Lima, de O Povo, no dia 23 último que a direção nacional do PSB havia convidado a ex-prefeita de Fortaleza, Luizianne Lins (PT) para fortalecer as alas da agremiação, sem contar que Eduardo Campos ligou para Heitor Férrer pedindo que aceitasse sair candidato ao poder executivo.

      Ignorar os fatos é desconhecer a realidade, e a concretude do real afetou e muito o brio de tal grupo, todavia ninguém pode saber. Pois o grupo de pessoas que compõem o “partido” do senhor governador não tem identificação ideológica com os Socialistas ditos históricos e compor qualquer outra agremiação, faz-se-a apenas pelo comando do governador e nada mais. Quem sabe a “diáspora” deste grupo aconteça diretamente para o “PROS”. Afinal de contas, ninguém do grupo é contra, além de todos os atuais deputados manterem seus mandatos e sem nenhuma possibilidade do Solidariedade do Paulinho, que usou sua Força para negar o acesso do grupo do senhor Cid Gomes, não pela força política de Cid, mas por este ter declarado apoio à reeleição da presidenta Dilma Rousseff.

        Mais uma vez o partido dos Ferreira Gomes perambula nas articulações políticas em busca de abrigo, sem se importar com ideologia, uma vez que sua trajetória fez rastros e poeira desde o Neoliberalismo, Direita Neocomunista ao Socialismo de Campos e Novais. Quem fica contra se eles forem pro “PROS”?