sábado, 29 de abril de 2017

Minha Fala à TV Zona Caucaia

Socializo aqui minha fala reproduzida Pelo Poeta e Repórter da mídia alternativa - TV Zona Caucaia - Eri Brasil.
"Aírton Amaral - poeta e professor vai às ruas e diz não às reformas propostas: Previdência e trabalhista proposta pelo atual presidente Temer"
video
 Crédito Vídeo: Eri Brasil - Praça da Bandeira - 28_04_2017

quarta-feira, 19 de abril de 2017

O Poder Público Precisa vir a Público


Ainda há pouco o consultor político Luiz Cláudio Ferreira Barbosa fez uma transmissão ao vivo e, como muita veemência, cobrou responsabilidades do prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio que no mínimo por omissão permitiu que os empresários do transporte público sacrificassem mais ainda a população fortalezense ao retornar do trabalho para suas residências.

Cobrou ainda uma satisfação do governador Camilo Santana em relação ao posicionamento da polícia militar que, praticamente inerte, assistia a tudo.

Aqui vou eu para dizer que tanto o prefeito Roberto Cláudio quanto o governador Camilo Santana precisam vir a público pedir desculpas ao pacato povo fortalezense além de ressarcir a rica quantia dispensada por cada uma das pessoas ao retornarem para suas residências, mesmo aqueles que por falta da “grana que faz e destrói coisas belas” tiveram que caminhar, vivenciando a total falta de segurança pública pelas ruas da cidade.

Quero ainda que os patrões do transporte público que, na maioria das vezes, sacrificam seus trabalhadores sejam severamente punidos pelo atentado à democracia, que é o direito de ir e vir de cada cidadão que paga caro por um transporte que deixa muito a desejar. O “estado paralelo” não pode “tocar o terror” na pacata sociedade e aqui incluo os gananciosos do transporte público.

quinta-feira, 13 de abril de 2017

A Lista dos Picaretas

“Meu caro amigo me perdoe, por favor, se eu não lhe faço uma visita”, assim disse o Poeta. E eu aqui observando a comodidade de uma parcela significativa da sociedade que já vestiu a camisa da seleção brasileira, bateu panelas, fez a dancinha da hipocrisia para “impedir” a corrupção, todavia, a situação do país não anda nada em sua normalidade almejada por tais manifestantes. Recentemente vazou mais uma lista de políticos  beneficiários da ilegalidade Odebrecht e continua o silêncio das panelas.

Tiraram a titular do Planalto Central com a força brutal capital alegando ao senso comum que tudo iria mudar. Realmente, tal “mudança” aconteceu, mas parece não está no contentamento da massa dançante. Mesmo não podendo torna-se réu na Operação Lava Jato, por não ter acontecido no atual mandato, o comandante da nave Brasil está envolvido em corrupção e um terço de seu ministério, terço, palavra sagrada da politicalha brasileira, está na relação dos maus feitores da política brasileira.

A bicameralidade foi invadida por seres representantes da politicalha, parte doentia da política, como dizia Rui Barbosa e, por coincidência ou não, o Senado Federal também desfila na lista da imoralidade com um “terço” de seus componentes enlameados pela corrupção, até mesmo o  atual presidente, Eunício Oliveira (PMDB-CE). Na Câmara Federal a quantidade dos “degregados” parece  menor, mas seu presidente, Rodrigo Maia (DEM-RJ), compõe a sujeira daquele poder.

De repente o neoliberalismo internacional empurra medidas impopulares e retiradas  de direitos
históricos da classe trabalhadora e adivinha quem deverá aprovar tais maldades. Será que o Ministério Público não percebe tais desmando e desmonte do país? Onde estão os formadores globais de opinião pública?

“Meu caro amigo, me desculpe lhe furtar boas notícias”, mas a realidade é muito pior...
 Crédito Foto: Internet

domingo, 9 de abril de 2017

Lula é o referencial máximo de luta da classe trabalhadora do Brasil

Existem alguns comentários nas redes sociais e  na grande mídia de que o ex-presidente Lula poderá ser “condenado” pelas investigações da operação Lava-Jato, contudo, desconfio que nem a direita conservadora defende uma possível prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Caso  a direita defendesse, a real prisão já teria acontecido no meio de tanta seletividade.

Percebemos que mesmo com tantas notícias negativas, batendo diretamente, o nome de Lula resiste nas pesquisas de opinião pública. É bem verdade que Lula “fez diretamente muitas coisas” pela população mais carente do país, as “ditas” políticas compensatórias, mesmo não tendo investido muito mais em políticas públicas e saciado a ganancia dos detentores do capital rentista.

Acreditamos que Lula representa muito mais  do que a esquerda brasileira gostaria que seu nome representasse para a classe trabalhadora, contudo, as manifestações contrárias às “Reformas” da previdência e trabalhista, pelo não à terceirização, trazem em si uma leve intencionalidade de barrar o acesso/permanência da direita neoliberal no comando central do país.

Por essas e outras é que devemos impedir tal possibilidade de prisão de Lula, pois, mesmo não comungando com sua atuação politica, Lula é o referencial máximo de luta da classe trabalhadora do Brasil e não podemos perder nenhum referencial de resistência à dominação e exploração internacional.

Nossos sonhos não estão limitados aos processos eleitorais existentes, entretanto, a luta de classe que mesmo querendo sua negação, alguns autores, ela está dialeticamente em evidência e necessita da ação cotidiana daqueles que não se dobram às explorações capitalistas internacionais.
 Crédito Fotos: Internet

sexta-feira, 7 de abril de 2017

O QUE SIGNIFICA CONSTRUIR O PÓS-LULA? [PARTE 3]


Reproduzo aqui o excelente artigo O QUE SIGNIFICA CONSTRUIR O PÓS-LULA ? [PARTE 3] que faz parte de uma série de boas ideias desenvolvidas pelo Cientista Político, Professor Doutor da Universidade Federal do Ceará – UFC, Uribam Xavier.

O Lulismo, contudo, foi uma renovação do projeto de expansão do capital conduzido por parte dos partidos de esquerdas em aliança com a direita. Tratou-se, na minha concepção, de um modelo moderno-colonial, cuja lógica econômica estava na premissa de que as nossas riquezas matérias, nossas matérias primas, nossos bens naturais, as novas formas de energias, nossa biodiversidade, o fruto da classe trabalhadora, na sua forma primária deveria fluir no sentido e direção da geografia do sul/moderno-colonial, para isso era preciso afirmar o processo civilizador burguês, branco, patriarcal e machista deixando de lado, mesmo que de forma envergonhada, os povos indígenas, os negros, os quilombolas, os povos das florestas, os moradores de rua e os que afirmavam outras orientações sexuais.

Por ser um modelo moderno-colonial, o Lulismo comportou uma Carta ao Povo Brasileiro, antes mesmo de chegar ao poder, sinalizando uma aliança com o setor financeiro; comportou uma política de alianças com os setores conservadores e atuais golpistas, os quais parte deles havia sustentado e apoiado a Ditadura Militar de 64. Explica, já no governo, a aprovação da Lei dos Transgênicos; a política de Minas Energia numa lógica predadora e voltada para entrega das nossas riquezas naturais ao capital internacional, cuja construção da Hidrelétrica de Belo Monte e outras já privatizadas; explica a ausência de uma política de reforma agrária e o total apoio ao agronegócio [ruralistas]; a entrega da Comissão de Direitos Humanos aos pastores gerando um avanço conservador contra as políticas de Direitos Humanos e a homofobica “Lei da Cura Gay”; explica as duas mini-reformas trabalhistas e algumas medidas neoliberais; explica a subserviência diante da FIFA para realizar a Copa do Mundo de 2014 no Brasil; explica, e muito mais, o envolvimento no Mensalão e na Operação Lava-Jato.

A modernidade é inseparável da colonialidade de poder, e o neodesenvolvimentismo ou lulismo foi uma forma de suprir a expansão do capital internacional e nacional por meio da reprimarização de nossa economia, num momento em que a China demandava de forma avassaladora as riquezas naturais do nosso continente para disputar com os Estados Unidos a liderança imperial do mundo. Ao aderir a uma política de pensamento único ou condição de mero administrador menor do capital, renunciando ao combate ao capitalismo, o lulismo se reduziu ao horizonte da colonialidade do poder, entrou nos marcos do pensamento moderno-colonizador abrindo nossas veias para que nossas riquezas escorressem na direção do sul.

Quando os efeitos da crise de 2008 já não era mais uma “ marolinha”, o lulismo mostrou-se incapaz de manter a política de conciliação de classes, como um Prometeu acorrentado aos aliados [ políticos conservadores e o capital ] viu suas vísceras sendo comidas, pediu piedade ao capital, dizia “ eu me tornei um de vocês, porque fazem isso comigo?” , olhava para os que foram por ele abandonados, mas já não tinha o que dizer, não tinham o que propor, sinalizou para o capital que implantaria a mais cruel política de ajuste neoliberal, que, durante a acirrada campanha eleitoral de 2014, havia dito que não faria “ nem que a vaca turca”. Todavia, para o capital tudo é descartável, até os serviçais. O lulismo não tinha mais o poder de governabilidade, pois seus aliados, agora, haviam, nos descuidos políticos do PT, isolado os petistas e chegaram ao governo por meio do golpe prometendo ao capital a governabilidade necessária para aplicar o ajustes neoliberal mais perverso proposto até o momento ao país. Não tendo mais condições de oferecer pão e circo [política de conciliação de classes] o capital trocou o palhaço alegre [PT / Lulismo] pelo palhaço triste [ Temer/PMDB/PSDB].

O que se discute no Brasil pós-golpe não é a busca de um modelo de justiça social ou um conjunto de reformas que desconcentre renda e riquezas, não se discute o desmantelamento do sistema capitalista. A classe política, feito formigueiro assanhado, vem gastado suas energias para extorquir os trabalhadores por meio de reformas perversas que tiram direitos, desvaloriza o valor do trabalho e aumentar as formas de exploração social, gastam seu tempo arquitetando mecanismos para se livrar de possíveis punições que possam advir das investigações da Operação Lava-Jato. Até o momento, todos os acusados em envolvimento em esquema de corrupção, se comportam da mesma maneira: declaram-se inocentes, vítimas de calunias e perseguições. Alguns se dizem até serenos e diante de uma oportunidade para provar que são inocentes.

No atual cenário uma possível proposta, para ajudar o país, a ter legitimidade e credibilidade política para seguir de forma menos prejudicial a nossa vida política, seria a imediata renuncia de todos os mandatos seguida de eleições gerais para presidente, senadores e deputados federais. Todavia, o que os partidos estão sinalizando é com a antecipação do debate sobre as eleições de 2018, com o objetivo de antecipar uma nova recomposição de alianças das forças políticas dando continuidade a luta do poder partidário e das personalidades pelo poder desprovido de um projeto político para o país, ou seja, afirmado, na ausência de projeto, a naturalização do pensamento único. Trata-se da privatização da política, da morte da democracia e do jogo político como um simulacro fundamentado num moralismo conservador e na defesa de projetos que ameaçam direitos já conquistados pelos trabalhadores.

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Temer Cairá?


Está se aproximando o julgamento da chapa presidencial Dilma/Temer, ação implantada no TSE pela sigla tucana muito antes do “Impeachment” da presidente eleita Dilma Rousseff (PT).

Cogita-se por aí que existe uma intencionalidade aparente de mais um adiamento como forma da sigla agremiativa tucana se redimir de uma vez por todas, pois hoje está no poder central e já não existe interesse em tirar Michel Temer que implementou completamente as ideias Neoliberais da sigla partidária mesmo sendo do PMDB.

O que está aparentemente marcada para amanhã tenderá livrar Michel Temer e ainda por cima tirar os direitos políticos da presidente eleita nas urnas e impedida por um Congresso Golpista.

É bem verdade que se a chapa cair, infelizmente não haverá eleições Diretas imediatas, talvez por isso, tal processo foi intencionalmente protelado como forma de cair no esquecimento e esperar 2018 chegar.

sexta-feira, 17 de março de 2017

Larissa Gaspar é Destaque na Defesa das Minorias?


A Câmara Municipal de Fortaleza está muita mais conservadora nesta legislatura, uma vez que alguns dos defensores das causas populares ou não concorreram e não conseguiram sua reeleição garantida, e com isso, a população perde representação no poder legislativo municipal na Fortaleza da resistência de Bárbara de Alencar.

Na ausência de João Alfredo que concorreu ao paço municipal e de Ronivaldo Maia, Deodato Ramalho e Toinha Rocha, ocupa espaço na luta popular a vereadora de primeiro mandato, Larissa Gaspar (PPL), que ganha notoriedade na luta popular defendendo as minorias das injustiças sociais.

Neste 15 de março, a vereadora esteve nas ruas da cidade dizendo não à Reforma da Previdência Social e defendendo o Fora Temer. Com isso, Larissa ganha a simpatia de muitos que ficaram órfãos de representatividade na Câmara Municipal da Fortaleza que já não é tão bela.

É bem verdade que João Alfredo, Ronivaldo Maia, Deodato Ramalho não se afastaram das causas populares e continuam na luta por uma sociedade mais justa, porém sem voto decisivo das causas sociais no poder legislativo municipal.

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Vai que Vai, Império Serrano


Mais uma vez, sem carnaval no grupo especial da Sapucaí, a minha gloriosa Império Serrano, entretanto, com retorno garantido, ou desejada ascensão ao grupo especial das escolas de samba carioca.

Este ano vai que vai num misto de Natureza Pantanal com o Grande Poeta Manoel de Barros, “o passarinho passará”, onde todos os participantes cantam “eu sou Império abra meu livro, pois tu sabes ler” lança, assim, seu passaporte para 2018 numa transmissão global de um belo carnaval.
Crédito Fotos: Internet - Magaivver Fernandes e Rodrigo Gorosito/G1






domingo, 19 de fevereiro de 2017

"Nenhum Homem é uma Ilha"


No campo das convivências sociais não existe nenhuma neutralidade. Traçar linha de isolamento entre o que se pode considerar “bom e o não tão bom”, nas relações sociais, é na maioria das vezes ficar do lado do não tão bom, do lado da exploração capital.

Não adianta dizer que aqueles que teoricamente estavam na defesa das minorias cometeram as mesmas falhas que cotidianamente cometem os não tão bons na defesa do capital explorador das massas.

No espaço da consciência onde foi superado as inseguranças do “senso comum” não há como se abstrair da realidade esquecendo do bem e do mal existentes nas relações humanas, onde os espertalhões do sistema tendem arbitrariamente determinar as regras do jogo e muitos jogam sem a mínima consciência do eu.

Necessário será tomar posição ideológica, sim, e solicitar dos gerentes do capital efetivas políticas públicas que atendam as necessidades da grande maioria que nem sempre teve as condições de ascensão social, pois a tal meritocracia parece não atender as periferias, e como diz o poeta:"nenhum homem é uma ilha".

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Quem tem Haddad não precisa de Ciro


Não bastasse as inúmeras dificuldades adquiridas ao longo dos tempos de comando da Nação para construir uma ilusória base governamental, além do Impedimento (Impeachment) da Presidente Dilma Rousseff, continua sofrendo as consequências o Partido dos Trabalhadores – PT.

O bloco de alianças com o que havia de pior dentro do Congresso Nacional, bloco este, parte integrante da destruição imagética e ideológica da sigla que gerenciou o capital durante 13 anos tendo alguns bônus e reconhecimento das massas e, uma extraordinária lista de ônus propagadas pela mídia, que não concordou com a possível regulação, e a chamou de censura prévia apostando no cenário de horrores que constatamos hoje .

Outra queda foi a debandada de alguns que se diziam defensores das bandeiras petistas e, agora, reforçando de uma vez por todas as declarações do senhor governador do Ceará, Camilo Santana, defendendo a candidatura do “ex-quase deus” Ciro Ferreira Gomes à presidência do Brasil em 2018.

Como dizia minha sábia vó: “além da queda o coice”, a sigla da estrela de cinco pontas vive hoje o maior dilema ideológico na tentativa de sobrevivência. E por incrível que pareça, existem ainda uma boa camada de “pdsistas”, dentro do PT, querendo acabar de vez com o refazer do partido.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Dona Marisa? Presente!

Muito bom compreender como alguém de origem humilde vivenciou as maiores dificuldades e também o ápice das lutas travadas na política social e manteve-se com a simplicidade de quem aos quatorze anos de idade foi empregada doméstica, mesmo chegando a Primeira Dama.

Dona Marisa Letícia Lula da Silva viverá para sempre na história de luta da classe trabalhadora brasileira como companheira e incentivadora de Lula e luta por uma sociedade mais justa. É bem verdade que a sociedade capitalista não dispõe de espaços libertários para quem pretende mudar as práticas de convivência social.

Meus Sentimentos e Solidariedade ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e família que certamente está sentindo a força bruta de mais um golpe que a vida nos proporciona.
Crédito Foto: Internet - Tico Santa Cruz Roberto Stuckert Filho Midia Ninja

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Publicizar a Homologação é Preciso!


Parabéns à Presidente do STF, Ministra Cármem Lúcia, por antecipar e Homologar as 77 Delações da Odebrecht que seria obra do ex-Ministro, relator da Lava Jato, Teori Zavascki, morto em acidente aéreo recente.

Muitos dizem que foi uma atitude de coragem e confirmo, todavia a população que vive a espetacularização midiática deveria ficar sabendo, de fato, quais são os nomes envolvidos.

Assim como o jornalista Kennedy de Alencar, eu também acho que foi tímida esta ação política da Ministra Cármem Lúcia, e a publicização das falas reveladas pelos 77 “delatores”, seria de fato um ato de bravura e minimizaria a incerteza econômica no país, onde o trabalhador é quem paga, e bem caro tal conta!

domingo, 29 de janeiro de 2017

Veradora Bá foi Cassada por Compra de Votos?


Às vezes a Justiça Eleitoral nos surpreende de forma imediatista e sem a sua morosidade habitual. É Delicado ler nas mídias sociais que a Vereadora Bá (PTC) foi cassada por compra de votos. Mas somente ela?

Fico aqui na minha vã ignorância pensando onde estão os outros compradores de votos que não tiveram o mesmo tratamento da Justiça. Na maioria das vezes as candidaturas proporcionais são ligadas à candidatura majoritária e não apenas a Vereadora Bá teve seu cadidato à prefeito que levou vantagem sobre os votos comprados da senhora vereadora. As candidaturas majoritárias “distribuem vantagens” para seus apoiadores?

Dizem que a Justiça é cega, mas neste caso parece ter enxergado o fenótipo periférico da vereadora. Parece até que a sociedade Brasil se mostra machista por natureza diante de tais situações complexas e reais.

Entenda: além de mulher, é negra e de origem humilde da periferia fortalezense. Fica muito fácil descartar alguém que de repente adentra o clube do poder capital da vereança e como a grande maioria, usa dos mesmos expedientes para se manter na crista da onda dos “iluminados representantes” que desfila livremente no tabuleiro do poder legislativo local.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Tom de Cinza


Tempos difíceis vivenciamos cotidianamente no país Brasil do pós golpe. Se não vejamos. Diuturnamente as maldades governamentais se fazem presentes nas mídias comprometidas com tais pacotes onde a classe trabalhadora paga o “pato” da FIESP que desfilou com a galera do “Fora Corrupção”?

Mundialmente tem a figura do Donald Trump, que além de negar os acordos assinados sobre o Aquecimento Global e sua redução de emissão dos gases que agravam o efeito estufa, assina via decreto, a construção de um “prometido” muro dividindo não apenas o México, mas toda a América Latina dos Estado Unidos.

Desconfio que diante das loucuras reacionárias governamentais, o prefeito da Sampa, João Dória, pondo em prática suas habilidades adquiridas com o “Lobão” descaracteriza a arte dos grafiteiros da cidade e diz:”Tá tudo cinza” e como num passo de maldade, a cidade perde suas cores numa tarde nublada.

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

O Que é Isso Companheiro?

Primeiro Cândido Vaccarezza que saiu do Partido dos Trabalhadores e migrou para a direita apoiando o governo Federal pós golpe. Claro, Vaccarezza não conseguiu se reeleger em 2014 e perambulando segue a ermo tentando sobreviver politicamente.

Agora o Deputado Cearense, José Airton Cirilo, não consegue mais disfarçar que vota quase sempre com o Planalto e não conseguindo explicar aos seus partidários tal postura, deseja sair do PT, mas teme perder o mandato, portanto, quer uma definição do presidente Rui Falcão de que saindo não terá prejuízo.

Com liberação de Falcão e cartão verde na mão, segue Cirilo com sua firmeza ideológica para o PTB ou PSD governista e golpista.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Jogo de Interesse no Apoio à Maia


O Deputado Federal Danilo Forte (PSB) ataca em todas as posições no tabuleiro da política atual. Não faz muito tempo, esteve na carona do governo Lula Um e Dois e continuou no primeiro governo Dilma, mas quando percebeu o naufrágio anunciado, no centro do Baixo Clero da Câmara Federal, migrou para o que se pode chamar temporariamente de porto seguro apoiando o “Impeachment” (Impedimento) da presidente Dilma Rousseff e dela se tornando um adversário terrível.

Agora desfila nos tapetes vermelho do Planalto afim de se afirmar como nome viável para futuras disputas no cenário cearense. E pensando nisso trouxe hoje ao Ceará o atual presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para junto com alguns outros deputados declarar apoio à reeleição (Ilegal) de Maia. Ilegal por quê? A Constituição Federal não permite a recondução da presidência numa mesma legislatura, mesmo Maia tendo sido “Tampão” foi eleito pelo Plenário e isso basta.

Todavia, os interesses privados de alguns parecem estar acima das questões republicanas, e neste contexto, marcar posição na grande área das “oportunidades governamentais” já é meio gol feito para permanecer nas asas do Planalto.

sábado, 21 de janeiro de 2017

A Crise Econômica e seus Impactos na Educação Brasileira


Quero aqui parabenizar a brilhante iniciativa do mandato estadual “É Tempo de Resistência”, Deputado Renato Roseno (PSOL) que juntamente com o Coletivo Graúna da UFC trouxeram para um caloroso e necessário debate sobre a Crise Econômica e seus Impactos na Educação Brasileira, nada mais nada menos que Daniel Cara, Coordenador Geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação e a professora, prata da casa, Irenísia Oliveira do Departamento de Literatura da UFC, e integrante do grupo Graúna, Oposição a atual gestão da ADUFC.

Há tempos não se via um auditório lotado de pessoas, representantes de vários setores da sociedade, ligadas à Educação e, certamente, a palavra de ordem não poderia ser outra: Resistência! 


Foto: Airton dos M@res 

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

O Ser Político na Arte Humana?

A Política nada mais é que a arte do agir humano, e como seres humanos que somos, representamos um complexo misto de vísceras e razão. Este complexo na sua lide dialética permite que algumas peças da complexidade humana apresentem-se fora da normalidade e fuja da convivência social migrando para a anormalidade, coisa bem fora da ética, uma vez que tais “degregados” sociais acreditam estar acima do dinamismo humano onde muitos pensam ser Zeus, Afrodite etc e tal.

Parafraseando aqui, Aristóteles: todo homem é um animal politico, entretanto, não se propaga tal consciência cidadã na universalidade e apenas alguns “iluminados” passam a representar o poder da maioria que não se apercebe a força em si representada delegando poder para alguns “degregados sociais”.

Como dizia Raul: se hoje sou estrela amanhã já se apagou, vivemos um processo que caracteriza humanamente a política e tornando assim comum a afirmativa de que a política é dinâmica, Quando na verdade, dinâmico mesmo somos nós humanos que conscientes ou inconscientemente praticamos na lide dialética de cada dia a arte de viver.

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

PT e a Difícil Situação na Sucessão de Maia

O processo eleitoral de Câmara Federal está colocando mais uma vez o Partido dos Trabalhadores em situação vexatória. Em 2015, quando tinha o comando da Nação, achou que poderia impor dois nomes do partido e acabou cedendo a vaga de presidente da Casa Legislativa maior ao líder do baixo clero, Severino Cavalcanti – PP de Pernambuco. Dez anos depois, quando poderia ter mostrado aprendizado de tal situação e saído com Júlio Delgado (PSB – MG), uma vez que sua “dita base aliada estava trincada”, preferiu lançar nome do Deputado Arlindo Chinaglia (PT – SP) e foi fragorosamente derrotado.

Desta vez ficou sem cargos na mesa diretora, sem o comando de algumas comissões importantes e todos sabemos o que aconteceu com a situação do partido. Não devemos esquecer que algumas coisas teriam sido diferentes se o PT tivesse compreendido o delicado momento político em que grande parte do empresariado paulista desejava mudanças na política econômica e praticamente impondo nomes à presidente Dilma Rousseff, como foi o caso do Ministro da fazenda, Joaquim Levy, reformas etc e tal.

Agora sem o poder central e desfalcado do seu colegiado, o Partido dos Trabalhadores busca alternativas de sobrevivência e poderá apoiar a candidatura do atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM – RJ), um dos apoiadores do golpe em que derrubou a presidente Dilma do comando da Nação.

Compreendendo que agora o PT deveria, sim, mostrar sua força ideológica e lançar candidatura para a Câmara Federal. Apoiar Maia poderá até lhe render cargos na direção da casa, mas como fica o discurso do partido que tenta ser oposição em 2018? Incoerências já lhe custaram muito, e agora é o momento de se fazer presente, marcar posição mesmo perdendo poderes na casa. Aliás, quando já não detêm algo não se deve ter medo de perdê-lo, principalmente agora que o leite já foi derramado.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Camilo e o Jogo de Alianças para 2018

Soa meio que estranho a postura política do governador Camilo Santana convocando para o seu secretariado pessoas de diferentes agremiações partidárias e até mesmo ligadas diretamente ao senador Tasso Jereissati – PSDB. Petistas e tucanos no mesmo ninho governamental?

Pois é, o governador Camilo Santana que, maldosamente, dizem do PtdoCid, fez uma reforma no seu secretariado e mexeu até com o ninho tucano cearense chamando para compor o governo a Doutora Socorro França, tucana e primeira linha, e o ex-vice governador e homem da linha de frente do governo Tasso, Maia Júnior, para seu secretariado.

Com isso gerou muitas especulações sobre o possível rompimento do governador Camilo Santana com seu padrinho político, Cid Ferreira Gomes, instantaneamente no PDT de Heitor. Engana-se quem assim pensou. Não haverá nenhum rompimento político entre a “cria e seu criador”.

Estranho, pode até parecer, mas o jogo aplicado no tabuleiro governamental nada mais é que minar as forças antagônicas que emergem no cotidiano da política cearense.

Você pode até não gostar da prática dos Ferreira Gomes, todavia, não subestime sua práxis no fazer política. Esta relação amistosa do senhor governador, Camilo Santana, com o senador Tasso Ribeiro de Jereisati não começou agora. Quem, assim como eu, lembra que o deputado Federal José Nobre Guimarães esteve candidato ao senado na última eleição de 2014 até a oficialização da candidatura do tucano Tasso? Foi ali que começou a reaproximação dos Ferreira Gomes com  Tasso. De repente Cid indica Camilo Santana 13 e evitou a candidatura de Guimarães que certamente dificultaria, e muito, a eleição de Tasso ao senado. Não venha me falar que a candidatura de Mauro Benevides Filho ao senado foi para valer.

Agora, no mesmo tabuleiro político, desfilam o governador Camilo e o senador Tasso como possíveis aliados.

Entenda que a postura do governador Camilo no governo do Estado está favorável estrategicamente à esta aproximação entre os Ferreira Gomes e Tasso. Isso poderá não ter nenhuma influência nas aspirações de Ciro Gomes em concorrer à presidência da República em 2018, todavia, enfraquecerá politicamente as pretensões do senador Eunício Oliveira para o governo do Estado.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Autoerotismo Proibido Pela Hipocrisia?

A Câmara Federal deveria ser um local para legisladores comprometidos com a República, no entanto, já faz algum tempo que faltam parlamentares capazes de legislarem em benefício do povo.

É lamentável constatar a prática do baixo clero no Legislativo Federal. Parece-me que que tais pessoas não têm nenhuma noção do que seja o parlamento ou são completamente mal assessoradas.

Onde já se viu querer proibir através de projeto de lei a iniciação do autoerotismo no ser adolescente que busca compreender os prazeres que o órgão genital pode lhe propiciar.

Observem vocês que além das “picaretagens” constantes ali presentes,  tipo:“pela minha família” voto sim! Parlamentares assistindo a filme pornográfico durante sessão plenária etc e tal, agora vem um cara pálida representante nato do conservadorismo hipócrita propor a criminalização da masturbação.

Ora, senhor “deputado punheteiro”, use seu mandato para minimizar as agruras das periferias das cidades e deixe de ser palhaço, pois tal elucubração reflete cinco contra um.