sexta-feira, 9 de junho de 2017

Vergonha Nacional, seu ministro

A vergonha que ora são os poderes constituídos na sociedade Brasil, provocando um desânimo na credibilidade de tais instituições, eliminando a ética do contexto relacional, certamente despertará uma revolta incomensurável no ser político da consciência Brasil e, fortalece mais ainda, no senso comum desesperançado, a ideia de que são “todos” cria de uma corrupção que alguns deles se dizem negar.

Para o cidadão comum que paga corretamente seus impostos, e em dia, que deseja um retorno em políticas públicas imediatas por parte dos poder estabelecidos, sangra suas esperanças cotidianas com o resultado dos últimos “acontecimentos Brasil”.

Diante de toda a espetaculização midiática provocada pelo TSE, fixando ibope ao julgamento da chapa Dilma-Temer, nada mais foi que a preparação do forno a lenha para uma indigesta pizza com sabor de Fora Temer que a sociedade brasileira vivenciou nestes três últimos dias e que sem ilusão grita: Vergonha Nacional, seu ministro!
rédito Foto: Internet

quinta-feira, 1 de junho de 2017

A Cracolândia X Idiotice Dória

O prefeito de São Paulo, João Dória do PSDB, é claro, pensa que pode acabar com a “cracolândia” apenas pedindo para que os usuários de “craque” deixem, a partir de agora, de usar drogas!

Será que alguém em sua sã consciência acredita verdadeiramente que poderia agir como age o Dória ao propor internação compulsória para aqueles socialmente desgraçados?

É difícil viver numa sociedade onde aprendiz de idiotas chegam ao poder e depois passam a impor conceitos ultrapassados para uma sociedade que infelizmente não compreendeu as reais mudanças aplicadas à gerência da prefeitura paulista na gestão anterior de Fernando Haddad.

Os conceitos sociais de hoje são completamente diferentes daqueles que quer impor Dória aos paulistas do século XXI. Não adianta apagar as marcas da rebeldia juvenil e pintar de “bunitinho” só por querer imprimir conceitos ultrapassados de alguém que ainda precisa aprender muito para chegar ao idiota que se propõe.
 Crédito Fotos: Internet

terça-feira, 2 de maio de 2017

Belchior em Palavras e Versos


Talvez hoje mais uma vez você me pergunte por onde andei e lhe confesso meu amigo que meus vinte e cinco anos de América do Sul certamente transbordaram o tempo em que você sonhava, pois nas paralelas do destino vivi a fúria das cidades grandes e até soltei a minha voz na noite d'um cabaré sem interesse maiores das teorias momentâneas e nem nas suas fantasias, pois amar e mudar as coisas são bem mais interessantes que cravos e espinhos no rosto e que “El condor passa sobre os Andes e abre as asas sobre nós.

Meu bem não pense em Paz, pois meu coração selvagem tem essa pressa de viver e ao trilhar caminhos errados possa nem justificar meu olhar lacrimoso que agora trago e tenho. Confesso que faz tempo, muito tempo que estou longe de casa e sem aquele velho blusão de couro, sem minha rede branca e sabendo que minha normalista linda está em outros campos bem distante de um estudante nordestino que mesmo angustiado como um goleiro na hora do gol, vive a emoção da paixão e filosofando aos quatro cantos tenta gozar no Céu ou inferno da efemeridade, pois o passado já não nos serve mais e que uma nova mudança em breve vai acontecer meu amigo.

Mesmo não lhe falando das coisas que aprendi nos discos, a minha história é talvez igual a tua, jovem que desceu do norte que no Sul viveu na rua. Assim, quero que saia do meu caminho, pois não preciso que me digam de que lado nasce o sol. Eu sei que a felicidade é uma arma quente e, presentemente eu posso me considerar um sujeito de sorte que na hora do almoço sente um certo medo, seu moço. Eu não sou do sertão dos esquecidos, conheço o meu lugar e quero uma balada nova, pois nossas esperanças de jovem não aconteceram neste presente instante e senão sangrar será uma grande ironia do meu coração que mesmo vivendo assim, não me esqueceu de amar.


Crédito Foto: Internet - arte: Airton Amaral

domingo, 30 de abril de 2017

Belchior Será Sempre Bel

Hoje estou por demais consternado com a passagem inesperada e “juvenil” do maior poeta humanista da contemporaneidade, Antônio Carlos Gomes Belchior Fontenelle Fernandes que aos 70 anos partiu para outra dimensão. Permita-me aqui Parafrasear o Pequeno Perfil de um Cidadão Comum: hoje um anjo do senhor desceu do céu pra uma cerveja, junto dele, no seu canto e a morte o carregou, feito um pacote, no seu manto.  Que a terra lhe seja leve, Poeta.

Meus Sentimentos e Solidariedade aos Familiares e Fãs que, como eu, sofre a perda irreparável, mas com a certeza de que Belchior viverá fortemente nos corações e mentes que viveram a emoção de suas apresentações em cantos, poesias e brincadeiras históricas da simpatia Belchior nos espetáculos da vida, além dos agradecimentos aos fãs que assim, como eu, lotavam as grades do Pirata.

E por falar em brincadeiras quero aqui relatar que em julho de 1993 tive o privilégio, ao lado dos amigos João Klinger, Jaqueline e do cantor Paulo Renato, assisti-lo ao vivo e em cores no projeto Seis e meia do Teatro João Caetano no Rio de Janeiro.

Lá pelo meio do espetáculo, Belchior começou contar suas experiências históricas em brincadeiras ao relatar sobre um “lanche” de alguns cearenses, o “rasburguer” que nada mais é que uma boa rapadura com pão e uma cuia de farinha. Certamente que rimos, mas na mesma moeda defendemos a realidade cearense e quando gentilmente nos recebeu na camarinho, o grande poeta e cantor riu e afirmou: hoje teve cearense no teatro.
Crédito Foto: Airton Amaral

sábado, 29 de abril de 2017

Minha Fala à TV Zona Caucaia

Socializo aqui minha fala reproduzida Pelo Poeta e Repórter da mídia alternativa - TV Zona Caucaia - Eri Brasil.
"Aírton Amaral - poeta e professor vai às ruas e diz não às reformas propostas: Previdência e trabalhista proposta pelo atual presidente Temer"
video
 Crédito Vídeo: Eri Brasil - Praça da Bandeira - 28_04_2017

quarta-feira, 19 de abril de 2017

O Poder Público Precisa vir a Público


Ainda há pouco o consultor político Luiz Cláudio Ferreira Barbosa fez uma transmissão ao vivo e, como muita veemência, cobrou responsabilidades do prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio que no mínimo por omissão permitiu que os empresários do transporte público sacrificassem mais ainda a população fortalezense ao retornar do trabalho para suas residências.

Cobrou ainda uma satisfação do governador Camilo Santana em relação ao posicionamento da polícia militar que, praticamente inerte, assistia a tudo.

Aqui vou eu para dizer que tanto o prefeito Roberto Cláudio quanto o governador Camilo Santana precisam vir a público pedir desculpas ao pacato povo fortalezense além de ressarcir a rica quantia dispensada por cada uma das pessoas ao retornarem para suas residências, mesmo aqueles que por falta da “grana que faz e destrói coisas belas” tiveram que caminhar, vivenciando a total falta de segurança pública pelas ruas da cidade.

Quero ainda que os patrões do transporte público que, na maioria das vezes, sacrificam seus trabalhadores sejam severamente punidos pelo atentado à democracia, que é o direito de ir e vir de cada cidadão que paga caro por um transporte que deixa muito a desejar. O “estado paralelo” não pode “tocar o terror” na pacata sociedade e aqui incluo os gananciosos do transporte público.

quinta-feira, 13 de abril de 2017

A Lista dos Picaretas

“Meu caro amigo me perdoe, por favor, se eu não lhe faço uma visita”, assim disse o Poeta. E eu aqui observando a comodidade de uma parcela significativa da sociedade que já vestiu a camisa da seleção brasileira, bateu panelas, fez a dancinha da hipocrisia para “impedir” a corrupção, todavia, a situação do país não anda nada em sua normalidade almejada por tais manifestantes. Recentemente vazou mais uma lista de políticos  beneficiários da ilegalidade Odebrecht e continua o silêncio das panelas.

Tiraram a titular do Planalto Central com a força brutal capital alegando ao senso comum que tudo iria mudar. Realmente, tal “mudança” aconteceu, mas parece não está no contentamento da massa dançante. Mesmo não podendo torna-se réu na Operação Lava Jato, por não ter acontecido no atual mandato, o comandante da nave Brasil está envolvido em corrupção e um terço de seu ministério, terço, palavra sagrada da politicalha brasileira, está na relação dos maus feitores da política brasileira.

A bicameralidade foi invadida por seres representantes da politicalha, parte doentia da política, como dizia Rui Barbosa e, por coincidência ou não, o Senado Federal também desfila na lista da imoralidade com um “terço” de seus componentes enlameados pela corrupção, até mesmo o  atual presidente, Eunício Oliveira (PMDB-CE). Na Câmara Federal a quantidade dos “degregados” parece  menor, mas seu presidente, Rodrigo Maia (DEM-RJ), compõe a sujeira daquele poder.

De repente o neoliberalismo internacional empurra medidas impopulares e retiradas  de direitos
históricos da classe trabalhadora e adivinha quem deverá aprovar tais maldades. Será que o Ministério Público não percebe tais desmando e desmonte do país? Onde estão os formadores globais de opinião pública?

“Meu caro amigo, me desculpe lhe furtar boas notícias”, mas a realidade é muito pior...
 Crédito Foto: Internet

domingo, 9 de abril de 2017

Lula é o referencial máximo de luta da classe trabalhadora do Brasil

Existem alguns comentários nas redes sociais e  na grande mídia de que o ex-presidente Lula poderá ser “condenado” pelas investigações da operação Lava-Jato, contudo, desconfio que nem a direita conservadora defende uma possível prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Caso  a direita defendesse, a real prisão já teria acontecido no meio de tanta seletividade.

Percebemos que mesmo com tantas notícias negativas, batendo diretamente, o nome de Lula resiste nas pesquisas de opinião pública. É bem verdade que Lula “fez diretamente muitas coisas” pela população mais carente do país, as “ditas” políticas compensatórias, mesmo não tendo investido muito mais em políticas públicas e saciado a ganancia dos detentores do capital rentista.

Acreditamos que Lula representa muito mais  do que a esquerda brasileira gostaria que seu nome representasse para a classe trabalhadora, contudo, as manifestações contrárias às “Reformas” da previdência e trabalhista, pelo não à terceirização, trazem em si uma leve intencionalidade de barrar o acesso/permanência da direita neoliberal no comando central do país.

Por essas e outras é que devemos impedir tal possibilidade de prisão de Lula, pois, mesmo não comungando com sua atuação politica, Lula é o referencial máximo de luta da classe trabalhadora do Brasil e não podemos perder nenhum referencial de resistência à dominação e exploração internacional.

Nossos sonhos não estão limitados aos processos eleitorais existentes, entretanto, a luta de classe que mesmo querendo sua negação, alguns autores, ela está dialeticamente em evidência e necessita da ação cotidiana daqueles que não se dobram às explorações capitalistas internacionais.
 Crédito Fotos: Internet

sexta-feira, 7 de abril de 2017

O QUE SIGNIFICA CONSTRUIR O PÓS-LULA? [PARTE 3]


Reproduzo aqui o excelente artigo O QUE SIGNIFICA CONSTRUIR O PÓS-LULA ? [PARTE 3] que faz parte de uma série de boas ideias desenvolvidas pelo Cientista Político, Professor Doutor da Universidade Federal do Ceará – UFC, Uribam Xavier.

O Lulismo, contudo, foi uma renovação do projeto de expansão do capital conduzido por parte dos partidos de esquerdas em aliança com a direita. Tratou-se, na minha concepção, de um modelo moderno-colonial, cuja lógica econômica estava na premissa de que as nossas riquezas matérias, nossas matérias primas, nossos bens naturais, as novas formas de energias, nossa biodiversidade, o fruto da classe trabalhadora, na sua forma primária deveria fluir no sentido e direção da geografia do sul/moderno-colonial, para isso era preciso afirmar o processo civilizador burguês, branco, patriarcal e machista deixando de lado, mesmo que de forma envergonhada, os povos indígenas, os negros, os quilombolas, os povos das florestas, os moradores de rua e os que afirmavam outras orientações sexuais.

Por ser um modelo moderno-colonial, o Lulismo comportou uma Carta ao Povo Brasileiro, antes mesmo de chegar ao poder, sinalizando uma aliança com o setor financeiro; comportou uma política de alianças com os setores conservadores e atuais golpistas, os quais parte deles havia sustentado e apoiado a Ditadura Militar de 64. Explica, já no governo, a aprovação da Lei dos Transgênicos; a política de Minas Energia numa lógica predadora e voltada para entrega das nossas riquezas naturais ao capital internacional, cuja construção da Hidrelétrica de Belo Monte e outras já privatizadas; explica a ausência de uma política de reforma agrária e o total apoio ao agronegócio [ruralistas]; a entrega da Comissão de Direitos Humanos aos pastores gerando um avanço conservador contra as políticas de Direitos Humanos e a homofobica “Lei da Cura Gay”; explica as duas mini-reformas trabalhistas e algumas medidas neoliberais; explica a subserviência diante da FIFA para realizar a Copa do Mundo de 2014 no Brasil; explica, e muito mais, o envolvimento no Mensalão e na Operação Lava-Jato.

A modernidade é inseparável da colonialidade de poder, e o neodesenvolvimentismo ou lulismo foi uma forma de suprir a expansão do capital internacional e nacional por meio da reprimarização de nossa economia, num momento em que a China demandava de forma avassaladora as riquezas naturais do nosso continente para disputar com os Estados Unidos a liderança imperial do mundo. Ao aderir a uma política de pensamento único ou condição de mero administrador menor do capital, renunciando ao combate ao capitalismo, o lulismo se reduziu ao horizonte da colonialidade do poder, entrou nos marcos do pensamento moderno-colonizador abrindo nossas veias para que nossas riquezas escorressem na direção do sul.

Quando os efeitos da crise de 2008 já não era mais uma “ marolinha”, o lulismo mostrou-se incapaz de manter a política de conciliação de classes, como um Prometeu acorrentado aos aliados [ políticos conservadores e o capital ] viu suas vísceras sendo comidas, pediu piedade ao capital, dizia “ eu me tornei um de vocês, porque fazem isso comigo?” , olhava para os que foram por ele abandonados, mas já não tinha o que dizer, não tinham o que propor, sinalizou para o capital que implantaria a mais cruel política de ajuste neoliberal, que, durante a acirrada campanha eleitoral de 2014, havia dito que não faria “ nem que a vaca turca”. Todavia, para o capital tudo é descartável, até os serviçais. O lulismo não tinha mais o poder de governabilidade, pois seus aliados, agora, haviam, nos descuidos políticos do PT, isolado os petistas e chegaram ao governo por meio do golpe prometendo ao capital a governabilidade necessária para aplicar o ajustes neoliberal mais perverso proposto até o momento ao país. Não tendo mais condições de oferecer pão e circo [política de conciliação de classes] o capital trocou o palhaço alegre [PT / Lulismo] pelo palhaço triste [ Temer/PMDB/PSDB].

O que se discute no Brasil pós-golpe não é a busca de um modelo de justiça social ou um conjunto de reformas que desconcentre renda e riquezas, não se discute o desmantelamento do sistema capitalista. A classe política, feito formigueiro assanhado, vem gastado suas energias para extorquir os trabalhadores por meio de reformas perversas que tiram direitos, desvaloriza o valor do trabalho e aumentar as formas de exploração social, gastam seu tempo arquitetando mecanismos para se livrar de possíveis punições que possam advir das investigações da Operação Lava-Jato. Até o momento, todos os acusados em envolvimento em esquema de corrupção, se comportam da mesma maneira: declaram-se inocentes, vítimas de calunias e perseguições. Alguns se dizem até serenos e diante de uma oportunidade para provar que são inocentes.

No atual cenário uma possível proposta, para ajudar o país, a ter legitimidade e credibilidade política para seguir de forma menos prejudicial a nossa vida política, seria a imediata renuncia de todos os mandatos seguida de eleições gerais para presidente, senadores e deputados federais. Todavia, o que os partidos estão sinalizando é com a antecipação do debate sobre as eleições de 2018, com o objetivo de antecipar uma nova recomposição de alianças das forças políticas dando continuidade a luta do poder partidário e das personalidades pelo poder desprovido de um projeto político para o país, ou seja, afirmado, na ausência de projeto, a naturalização do pensamento único. Trata-se da privatização da política, da morte da democracia e do jogo político como um simulacro fundamentado num moralismo conservador e na defesa de projetos que ameaçam direitos já conquistados pelos trabalhadores.

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Temer Cairá?


Está se aproximando o julgamento da chapa presidencial Dilma/Temer, ação implantada no TSE pela sigla tucana muito antes do “Impeachment” da presidente eleita Dilma Rousseff (PT).

Cogita-se por aí que existe uma intencionalidade aparente de mais um adiamento como forma da sigla agremiativa tucana se redimir de uma vez por todas, pois hoje está no poder central e já não existe interesse em tirar Michel Temer que implementou completamente as ideias Neoliberais da sigla partidária mesmo sendo do PMDB.

O que está aparentemente marcada para amanhã tenderá livrar Michel Temer e ainda por cima tirar os direitos políticos da presidente eleita nas urnas e impedida por um Congresso Golpista.

É bem verdade que se a chapa cair, infelizmente não haverá eleições Diretas imediatas, talvez por isso, tal processo foi intencionalmente protelado como forma de cair no esquecimento e esperar 2018 chegar.