segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Seminários Interdisciplinares na EPCT


Nossos desafios cotidianos estão desfilando no tabuleiro da Educação Profissional, Científica e Tecnológica – EPCT/UAB/IFCE e com intensidade podemos realizar no Polo Novo Pabussu o Primeiro Seminário: Caminhos e Perspectivas da Educação Profissional, Científica e Tecnológica neste sábado 14 de outubro de 2017.

Na verdade, não irei citar os entraves que, a priori, justificou uma pequena frequência, contudo, falar da dedicação e compromisso assumido com tal realização pelo grupo de organização, e aproveito aqui para Parabenizá-lo. Compromisso assumido. Compromisso Realizado e com sucesso que muitas vezes não se encontra apenas na quantidade, mas na Qualidade e isso foi condição Sine qua non deste seleto grupo.

Como todo bom evento, tivemos inicialmente cerimonialista, Fátima Sousa, fazendo a apresentação do Seminário e a seguir a fala do coordenador do Polo, Professor Francisco da Silva (Lúcio) Moreira que relatou a historicidade e importância do Polo de Apoio Presencial da Universidade Aberta do Brasil para a população de Caucaia. A fala da discente Séphora Luciana apresentando a importância da Educação Profissional, Científica e Tecnológica, nossa EPCT de cada dia, bem como os votos de sucesso para os discentes da professora formadora Ana Cláudia Uchôa de Araújo, e um rico e nutritivo café da manhã que muitos insistem em chamá-lo de “coffee break” .

Podemos assistir as ricas e objetivas apresentações dos discentes cursistas que muito contribuíram para o enriquecimento do Evento, e para finalizar contamos com a dinâmica palestra “Os Desafios da Educação Profissional no Brasil com a professora Dra. Keila Andrade Haiashida.
 Crédito Foto: Airton dos M@res.

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Camilo Santana Aglutinará as Força Políticas Adversárias?


Na tentativa de me desligar um pouco dos últimos acontecimentos políticos do Planalto Central, me deparei com alguns comentários dos analistas da “real política” cearense.

Quase tudo gira em volta da capacidade aglutinadora do governador Camilo Santana – PT em dialogar com as lideranças das mais diversas tendências partidárias do Estado. É bem verdade que o governador Camilo Santana tem dedicado seu tempo às inaugurações e “selfiar” com a estudantada, como também às questões externas, pois o homem parece que apenas passeia pelo nosso Estado. Mas é notícia diária em quase todos os meios de comunicação local.

Parece-me que as análise existentes convergem para uma reeleição tranquila e contando com parcela significativa da sociedade política, até mesmo incluindo seus adversários no mesmo tabuleiro eleitoral. Todavia, a minoria de analistas tende afirmar que não haverá coalizão entre os interesses divergentes.

Existem uns bem ousados que falam até em chapa completa para a tranquilidade e barateamento da campanha, todavia, não se declara o nome que disputará a segunda vaga da casa legislativa maior e nem para a vice-governadoria. Tudo isso faria parte dos arremates finais da composição desprovida das “divergências” pessoais e políticas, que certamente continuariam divergentes, mas pelo interesse de cuidar da coisa pública do Estado, ficarão tudo ou quase tudo, num silêncio sepulcral.
 
Crédito Foto: Internet

domingo, 10 de setembro de 2017

Partiu, Eduardo Pessoa


A Nossa amada Caucaia amanheceu com uma imensa tristeza com o passamento do ex vereador e pessoa da simpatia caucaiense que, apesar de já está doente, disputou o segundo turno das últimas eleições municipais com o atual prefeito Naumi Amorim.

No início da noite de ontem (09/09) partiu para sua última morada, Eduardo Pessoa, quando ainda tinha seus 44 anos e uma vontade de viver e ajudar seu povo. Infelizmente foi vencido por um câncer de medula óssea que durante aproximadamente um ano tentou derrotá-lo e agora o fez definitivamente.

Foi vereador durante quatro mandatos consecutivos e também presidente do Legislativo local e em sua última disputa selou acordo de cumprir os avanços e conquistas dos trabalhadores municipais com o Sindsep Caucaia. Fica aqui meus sinceros sentimentos e Solidariedade aos familiares que, certamente, estão vivenciando uma grande perda.

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Lula Não é Religião, seu Jabor


No seu comentário de hoje (08/09), na rádio O Povo CBN, Arnaldo Jabor chega ao absurdo em afirmar que o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva é de esquerda. O cara começa comparando a fala de Trump quando afirma: “mesmo matando alguém, seus eleitores continuariam votando nele”, com a figura carismática de Lula e, categoricamente destila, “sua compreensão”, afirmando que por mais que se mostre as irregularidades do governo Lula muitos ainda o seguem cegamente.

Achar que Lula é maior que a política nacional não é novidade, seu Jabor, mas faltar com respeito aos intelectuais, artistas e aos cidadãos comuns que afirmam votarem no Lula em 2018, soa um velado preconceito de sua parte, seu moço. Certamente as pessoas que você desdenha, por elas afirmarem votar no Lula, não veem nenhum outro nome que represente, mesmo que parcialmente, os anseios das massas nas possíveis candidaturas postas no tabuleiro eleitoral para 2018.

Desconfio que você ainda sabe o que representa ser de esquerda e ao comparar o ex presidente Lula a esquerda, demonstra uma sagacidade atroz de suas falácias permanentes, além do preconceito exposto às pessoas que livremente optam, não como religião, pelo nome Lula para gerenciar o capital no Brasil. Será que isso representa certa ciumeira pelo resultado das caravanas Lula pelo Nordeste?


Crédito Foto: Internet / Airton dos M@res

domingo, 3 de setembro de 2017

Partiu, Luíza de Teodoro, a Educadora!


A educação cearense está mais pobre de luz e saberes com o passamento da educadora Luíza Teodoro Vieira que partir ainda com seus bem vividos 86 anos de sabedoria e ensinamentos de várias gerações que passaram pelas Universidades do Ceará.

Lembro-me de quando conheci a professora Luíza de Teodoro, estava iniciando meu curso de Filosofia no Centro de Humanidades, da Universidade Estadual do Ceará, Universidade dos Trabalhadores – UECE. Tive o privilégio de usufruir de seus ensinamentos educacionais de uma postura progressista que me fez aguçar ainda mais minha militância política estudantil no Centro Acadêmico que presidi – CAFIL.

Hoje, 03 de setembro de 2017, partiu a Educadora Luíza para outra dimensão, levando sua sapiência e tranquilidade de sua militância educacional no Estado do Ceará, mas que fica aqui seu Legado Educacional de vivência e contribuições para o desenvolvimento da Educação no nosso Ceará.

Partiu, Luíza, quando ainda poderia muito contribuir com a formação da nova geração que busca alternativa de transformação social no campo da educação.
 Crédito Foto: REPRODUÇÃO FACEBOOK

domingo, 27 de agosto de 2017

Numa conversa de bar entre o Zé da Nuvens e a Maria das Dores Sociais


É preciso compreender a realidade, Zé!
Realidade pra mim é mesmo um gole da douradinha e um ovo cor de
   rosa, Maria
Ignorar o retrocesso, Zé, é desiludir-se da vida, amigo.
Pra que vou me preocupar se lá em Brasília os políticos seguem
  quase tudo que o capital manda e a galera nem dança mais na praça
  Portugal. Agora é esperar que Deus cuide de nós, Maria.
Chega de comodismo, seu louco, se não fizermos agora sofreremos
  de angustia amanhã, Zé.
Vou é cuidar da vida e deixo você com sua ilusão de bar”. 


Crédito Foto: Internet / Airton dos M@res 

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

A Massa Votante Será Determinante nas Eleições de 2018?


Já não tarda a chegar o estardalhaço eleitoral de 2018 com algumas figurinhas repetidas e outras tantas embolando as intencionalidades da massa que, sem uma análise mais apurada, segue os “ditos” da grande e parcial mídia brasileira.

Diante de tantos retrocessos que está sendo coordenado pelos agentes do mal no Congresso Nacional e as más intenções reacionárias, postas no tabuleiro eleitoral presidencial, podem conduzir os rumos da política brasileira para a antipolítica, pois hoje grande parcela da sociedade parece estar anestesiada com o bombardeio da mídia sobre seus interesses imediatos e porque não dizer mediatos também, que representam o capital local e internacional.

A propagação de que os políticos estão no mesmo nível de ação, cujos interesses são em sua grande maioria particulares e que alguns deles, diga-se de passagem, são muitos, chegam a “vender sua alma política” para salvar o senhor Fora Temer e prejudicar ainda mais a situação da massa votante. Certamente isso deve lhes render uma boa quantia para a compra de seus retornos ao pomposo“parlamento”.

Parece-me que Lima Barreto estava completamente iluminado e antenado com os últimos acontecimentos da sociedade Brasil atual quando disse que “no Brasil não tem povo, tem público”. Pois é mesmo. Essa massa votante, não tão voluntária, segue no maior silêncio diante das barbaridades executadas pelos que deveriam nos representar. Provavelmente pelo desencanto de ter ido às ruas, seguindo os interesses da máfia internacional, dançado com a música do passinho e vestindo a camisa da seleção canarinho.

E nesse contexto de quase paralisia social frente aos desmandos governamentais de claras intenções que diretamente prejudicam não apenas os votantes não tão voluntários, todavia, a população que ainda reage, ou tenta reagir, mostrando caminhos alternativos que dificilmente serão acatados pelos mais sofridos da massa votante que nem fala de ideologia, mas não deixa de propagar e defender silenciosamente o nome que a mídia capital determina como sendo grande executor para gerenciar a coisa pública.

segunda-feira, 31 de julho de 2017

EPCT no IV Colóquio Nacional e I Colóquio Internacional no IFRN


Aconteceu com sucesso e grande participação nos dias 24 a 27 de julho de 2017, no Instituto Federal do Rio Grande do Norte – IFRN, o IV Colóquio Nacional e o I Colóquio Internacional, onde foi trabalhado a Produção do Conhecimento em Educação Profissional: A Reforma do Ensino Médio e suas Implicações para a Educação Profissional no país.

Contrariando o grave momento de crise que ora passa o Brasil um grupo de estudante secundarista do IFRN apresentou cenicamente o ato de Liberdade onde conclama a participação de todos e todas para resistir aos ataques impostos à Educação. Em seguida tivemos a Oportunidade de ouvir o Dr em Filosofia, José Barata Moura, da Universidade de Lisboa que proferiu brilhantemente a Conferência de Abertura do Colóquio: Da Circunstância da Educação à Transformação das Circunstâncias. E logo após a conferência houve um coquetel para confraternizar os participantes presentes.

A partir do segundo dia, no primeiro horário Manhã e Tarde do IV Colóquio, tiveram início as Sessões simultâneas de comunicações orais dividida em três Eixos Temáticos: Eixo 1 – Políticas em Educação Profissional. Eixo 2 – Práticas Integradas em Educação Profissional e no Eixo 3 – Formação de Professores para a Educação Profissional, do qual participei. Já no segundo horário, das 10h ao meio dia e das 16 às 18:30h aconteceram com grande frequência as Mesas Temáticas com um total de cinco, que por conta da limitação do tempo, aconteceu simultaneidade de duas delas e, aqui citarei as três das quais participei.

A Primeira Mesa Temática abordou um significativo tema sobre o PROEJA e PRONATEC: para quê e para quem? Com os professores Domingos Leite Lima Filho (UTFPR) e José Mateus do Nascimento (IFRN), prata da casa. A segunda tratou da Formação e Trabalho Docente na Educação Profissional diante da Nova Reforma do Ensino Médio: Adaptação e/ou Resistência com a brilhante professora Doutora Maria Ciavatta da Universidade Federal Fluminense (UFF) e Andrezza Tavares do IFRN e a professora Filomena Silva do Rio Grande do Sul. E a terceira, da qual participei, foi exatamente a sexta Mesa do evento que abordou com o brilhantismo das professoras Doutoras Antônia de Abreu, do nosso respeitado IFCE, e Marise Ramos da UERJ e Fiocruz. E do dinâmico e organizador do evento Dante Henrique Moura (IFRN).

E para encerrar tivemos a arte dançante dos professores onde grande parte do auditório caiu no chote para alegrar ainda mais o espírito aprendiz dos participantes que em seguida atentamente ouviram a Conferência de Enceramento: A Produção do Conhecimento em Educação num Contexto de Estado de Exceção e Interdição dos Direitos com o filósofo professor Doutor Gaudêncio Frigotto, da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ).

Parabenizo ao Professor Dante Henrique Moura e toda a equipe organizadora do IV Colóquio Nacional e I Colóquio Internacional – IFRN, que mesmo com muitos entraves, oportunizaram um grande Encontro de saberes da Educação Profissional, como também deixo aqui meus agradecimentos aos guerreiros estudantes da Licenciatura em Educação Profissional, Científica e Tecnológica – EPCT da Universidade Aberta do Brasil – UAB – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará – IFCE, Polo Novo Pabussu – Caucaia, Polo de Limoeiro do Norte e ao Professor Carlos Alberto dos Santos Bezerra, nosso coordenador, que intermediou a possibilidade da nossa ida ao Encontro de Novos Conhecimentos dentro da Educação Profissional.
Crédito Foto: Airton dos M@res

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Não Queria Perguntar, mas Onde Estão os Outros?


Cansados da convivência cotidiana do levar vantagem em tudo e do mal gerenciamento da República nos últimos quinhentos anos o Ministério Público Federal e a sociedade brasileira travaram uma incansável luta contra a corrupção. Será que agora a população percebeu as armadilhas da exploração e expropriação capital na sociedade capitalista?

Não vou “mencionar” nada antes da Ação Penal 470 e a Operação Lava Jato da Polícia Federal. Isso já seria o bastante para indignar alguém. Indignar, verbo imperativo da cidadania contemporânea, todavia, tal indignação não me parece real na sua totalidade. Parte da população sofre com as irregularidades governamentais dos maus gerentes do capital que prioriza suas ações particulares em detrimento das políticas públicas nos três níveis da esfera governamental e, diga-se de passagem, com raríssimas exceções.

Parece-me que a Ação Penal 470 não teve resultado positivo e consequentemente a redução das práticas ilegais do dinheiros público, mas despertou uma certa parcela anestesiada da sociedade pelas propagandas astronômicas que não representam resultados.

É Bem verdade que a Operação Lava Jato mobilizou grande parte da sociedade que deseja um bom gerenciamento da coisa pública e não aceita ser ludibriada pelos maus gestores do capital. Entretanto, desconfio que boa parte das mobilizações sociais sofreram influência direta de uma camada social insatisfeita com a gestão da presidente Dilma Rousseff, (re)eleita em 2014. Não devo mencionar que tudo isso aconteceu pelas tais pedaladas no governo Dilma, que logo após o seu afastamento, foi legalizada pelo Congresso Nacional e as indignações contra a corrupção ficaram bem mais restritas.

Algumas pessoas foram indiciadas e culpadas pela prática efetiva da corrupção propagada na sociedade Brasil. Outros tantos implicados, mesmo quando são encontradas provas cabais das irregularidades aplicadas, tais entes políticos parecem ser “blindados” pela Justiça capital. Infelizmente parece-me institucionalizada a corrupção no Planalto Central com “compra de deputados” para livrar Temer de ser julgado pelo STF pelas irregularidades cometidas durante seu “governo” e aquela parcela da sociedade, antes indignada, cala-se e se transforma em acomodados incomensuráveis.

Observo com preocupação tais ações implicativas concentradas na pessoa do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva que teve seus bens bloqueados pelo juiz Sérgio Moro, que ainda não satisfeito, bloqueia até um plano de aposentadoria privada de Lula e isso pode até não ser, mas parece seletividade e aspirações em cancelar devagarinho a postulante candidatura de Lula em 2018 para a presidência do Brasil.


Crédito Foto: Internet_Arte: Airton dos M@res

terça-feira, 11 de julho de 2017

Mentor do Golpe Deseja Alterar Tática?


Interessante presenciar algumas pessoas de bom senso se angustiando com a postura dúbia dos tucanos de plantão. Acreditar que o PSDB deixe o governo do Michel Temer e não compreender que a tucanada foi mentora do impedimento da presidente eleita, Dilma Rousseff, e agora fica “pousando de bom moço” para a sociedade?

Lamentável a postura do PSDB que deveria defender a social democracia brasileira, participa e comunga de táticas golpistas envergonhando o passado e a história de Franco Montouro, Mário Covas, políticos que romperam por não concordarem com as práticas do PMDB, que naquela época era menos mal, que abrigava pessoas com fibras ideológicas e se lançaram como alternativa para a classe média conservadora da sociedade Brasil.

Hoje esta sigla alegórica agremiativa fica usufruindo do poder golpista, pensando ludibriar os eleitores em 2018. É certo que algumas figuras, se dizendo moralistas, pregam o rompimento com o governo Temer que eles construíram através do golpe do impedimento da Dilma.

Não adianta o senador Tasso Jereissati e uns dois ou três “donatários” vir à público pregar o rompimento com o Planalto, se toda semana ficam de confabulações falaciosas e nunca convocam as instâncias partidárias para deliberar sobre o assunto. Assim sendo, tal cacique desrespeita os diretórios municipais e ficam espalhando na velha mídia suas elucubrações sofismáticas.